Greve dos correios chega ao fim

Os trabalhadores dos Correios decidiram pelo fim da greve na tarde de hoje (13) após decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinar que empregados pagarão parte do plano de saúde e exigir a volta ao trabalho de 80% dos carteiros.

A Federação determinou o fim da greve nacional no fim da tarde, mas defende que o TST pode ter aberto um “precedente perigoso” para outras categorias de trabalhadores por ter desrespeitado acordo coletivo ao determinar o pagamento de uma parcela do plano de saúde pelos carteiros.

A Federação argumenta que o TST julgou uma cláusula social – o benefício de saúde – como sendo uma “questão econômica sem que houvesse comum acordo entre as partes”. “Amanhã, a empresa pode cortar outros benefícios, como a alimentação”, argumenta o secretário-geral da Fentect.

Balanço dos Correios indicava que 24 dos 32 sindicatos de trabalhadores da empresa que aderiram à greve já tinham decidido pelo retorno ao trabalho às 18h da terça-feira. Segundo a empresa, o grupo representa 96,5 mil empregados – o equivalente a 91% do efetivo dos Correios

Ônibus ainda estão sem circular em São Luís

O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão informa, que das três empresas, duas já voltaram a circular na capital, são elas: São Benedito e Matos.

No caso destas duas empresas, os representantes se reuniram com Isaias Castelo Branco, no Set, apresentaram uma proposta, prevendo quitar os salários e demais benefícios.

A proposta foi apresentada e aceita pelos trabalhadores, que já retomaram as atividades.

Em relação a empresa Marina, o Sindicato dos Rodoviários ressalta, que até o momento os representantes ainda não se posicionaram, muito menos, regularizaram a situação dos funcionários.

Por este motivo, os ônibus da Marina permanecem sem rodar.

Ascom Sind. Rodoviários – MA

Sindicato dos rodoviáros mantém paralisação mesmo com aplicação de multa da justiça

O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão informa que algumas empresas que atuam no transporte público de São Luís, começaram a realizar o pagamento dos trabalhadores (motoristas, cobradores e fiscais). O levantamento final, detalhando se todas elas cumpriram o que estabelece a Convenção Coletiva de Trabalho e realizaram o pagamento dos salários, até esta quarta-feira (08), quinto dia útil deste mês de novembro, só será possível concluir, após as 18 horas.

Categoria pode parar atividades na quinta-feira

O Sindicato dos Rodoviários ressalta ainda, que o posicionamento está mantido. Se houver descumprimento deste prazo e alguma empresa deixar de pagar os trabalhadores até está quarta-feira (08), é provável que as linhas operadas por elas, deixem de rodar nas primeiras horas desta quinta-feira (09). Esperamos que os empresários sejam compreensíveis e garantam este direito da categoria, de receber o próprio salário, na data correta.

Ascom Sind. Rodoviários – MA

Atualizando as informações: Não houve registro de  falta de circulação de ônibus de nenhuma empresa  em São Luís nesta quinta-feira.

Rodoviários podem parar, novamente, quinta-feira

No último dia 27 de Outubro, os Rodoviários cruzaram os braços em São Luís por duas horas. A paralisação de advertência foi deflagrada em razão do descaso de algumas empresas que atuam no transporte público, em relação aos pagamentos de salários dos motoristas, cobradores e fiscais, que nos últimos meses sempre são disponibilizados com atraso.

Categoria pode parar atividades na quinta-feira

A Convenção Coletiva de Trabalho é clara: O pagamento de salário dos Rodoviários deve ser feito até o quinto dia útil do mês, assim também como liberação de outros benefícios, como é o caso do ticket alimentação. Novamente esta situação, volta a preocupar os trabalhadores, que podem enfrentar mais um atraso.

Neste mês de novembro, o quinto dia útil, será no dia 08. Este é o prazo final, para que o dinheiro caia nas contas dos Rodoviários. O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão está atento a situação e já pensa em adotar medidas, que obriguem os patrões a cumprir o que diz a Convenção, estabelecida entre trabalhadores e empresários.

Na manhã desta segunda-feira (06), Isaias Castelo Branco, Presidente da entidade, revelou que se mais um atraso acontecer, uma nova paralisação do sistema em São Luís, será deflagrada. O que o Sindicato dos Rodoviários do Maranhão deverá sugerir a categoria, é que na próxima quinta-feira (09), trabalhadores que não tenham recebido o salário, que cruzem os braços neste dia.

O Sindicato ressalta ainda, que no caso das empresas que disponibilizarem o salário e ticket alimentação na data correta, estas poderão circular normalmente pela cidade. Em relação às empresas, que pagarem os motoristas, mas não efetuarem o pagamento dos cobradores, por exemplo, uma prática muito comum atualmente, estas também ficarão sem rodar por São Luís.

“No nosso ponto de vista, apelar para uma paralisação do sistema, somente em último caso. Somos totalmente abertos ao dialogo, para que junto aos empresários, possamos adotar medidas que de forma alguma, prejudiquem os trabalhadores, só que nos últimos meses o descaso tem sido freqüente. Os Rodoviários precisam receber os salários na data certa. São pessoas que tem compromissos a honrar e que muitas vezes, passam por transtornos, devido ao não recebimento do salário e do ticket. A categoria, constantemente, reclama desta postura dos patrões. Pois bem, agora iremos agir da mesma forma, sem o mínimo de consideração pelos empresários. Desde já, pedimos desculpas a população de São Luís, caso alguma linha deixe de operar na capital no próximo dia 09, mas estamos lutando por nossos direitos e claro, por mais respeito”, enfatiza Isaias Castelo Branco, Presidente do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão.

Ascom Sind. Rodoviários – MA

Rodoviários vão parar na sexta feira

O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão informa que nesta sexta-feira (27), a categoria irá cruzar os braços por três horas na capital. De nove da manhã ao meio-dia, os ônibus vão parar de rodar. A decisão foi tomada pelo Presidente, Isaias Castelo Branco e diretores da entidade, em reunião realizada na manhã desta quarta-feira.

Categoria paralisa atividades por 3 horas em protesto de advertência

Os motivos que levaram o Sindicato dos Rodoviários a incentivar que os trabalhadores cruzem os braços, são os constantes atrasos nos pagamentos de salários e de outros benefícios, que a categoria tem direito, como o ticket alimentação. As empresas têm ciência, que os salários devem ser pagos até o quinto dia útil do mês, esta, inclusive, é uma das clausulas da Convenção Coletiva de Trabalho, mas praticamente todos os meses, os empresários, descumprem a determinação.

Atualmente, são cerca de seis mil Rodoviários, que exercem a atividade no transporte público de São Luís, que sofrem as conseqüências, por conta destes constantes atrasos. São motoristas, cobradores e fiscais que vão ao Sindicato todos os dias e denunciam a falta de compromisso dos empresários.

Além das questões que envolvem a pauta local, a paralisação por três horas, no dia 27, também é uma reposta à aprovação da Reforma Trabalhista, que deve entrar em vigor nos próximos dias. O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão reivindica os interesses da categoria, mas também apoia o movimento, organizado em São Luís por diversas entidades, entre elas, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Terrestres – CNTTT, que deve ser marcado pela manhã, por um grande ato na Praça Deodoro e a tarde, o Encontro de Entidades, que acontecerá a partir das 14 horas, na sede do Sindicato dos Rodoviários. O movimento tem o intuito de defender as conquistas dos trabalhadores brasileiros e forçar o Governo Temer, a modificar as regras da Reforma Trabalhista, que mais parece querer escravizar os brasileiros.

“O Dia 27 será muito importante aos Rodoviários. Precisamos nos unir para exigir que os empresários respeitem o que determina esta clausula fundamental, da Convenção Coletiva de Trabalho. Os atrasos constantes nos salários e em outros benefícios causam inúmeros transtornos à categoria, composta por pais e mães de família e que precisam honrar com os compromissos. Não vamos mais admitir que estes atrasos aconteçam. Além disso, estamos cruzando os braços, em sinal de repúdio a esta Reforma Trabalhista. Este pacote de medidas que entra em vigor nos próximos dias é um retrocesso e uma afronta aos trabalhadores brasileiros. Além dos Rodoviários, se todas as categorias se engajarem a este movimento, conseguiremos derrubar esta Reforma Trabalhista. São nossos direitos, conquistados com tanta luta, que querem acabar”, enfatiza Isaias Castelo Branco, Presidente do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão.

Servidores da receita federal cruzam os braços

Os contribuintes que precisarem de atendimento em unidades da Receita Federal terão dificuldades nesta quarta-feira (25). Os analistas tributários do órgão fazem paralisação de 24 horas em protesto contra a demora no cumprimento de acordos salariais.

A paralisação afeta tanto o atendimento nas delegacias regionais do Fisco quanto a liberação de mercadorias nos portos e nos aeroportos. A suspensão atinge os seguintes serviços: emissão de certidões negativas e de regularidade, inscrições e alterações cadastrais, regularização de débitos e pendências, orientação aos contribuintes, parcelamento de débitos, revisões de declarações, análise de processos de cobrança e atendimentos a demandas de outros órgãos.

Nas zonas aduaneiras, os analistas tributários não atuarão nos portos, aeroportos e postos de fronteira, na inspeção e liberação de mercadorias, nas operações especiais de vigilância e repressão e nem na verificação física de bagagens.

De acordo com o Sindicato Nacional dos Analistas Tributários da Receita Federal (Sindireceita), o acordo salarial assinado em março de 2016 não foi cumprido pelo governo até o momento. A entidade alega que a falta de definição prejudica o funcionamento do Fisco. A Receita Federal informa que não comenta mobilizações de servidores do órgão.

Greve dos Correios chega ao fim e distribuição normaliza em 5 dias

A greve dos Correios durou 17 dias em boa parte do pais, e causou atraso na entrega que chegou a refletir em todos os estados. A expectativa é que a distribuição seja normalizada em até 5 dias úteis, no caso de serviços com hora marcada que foi suspenso(Sedex 10 e Disque Coleta), a previsão é que volte a funcionar na quarta (11).

Os Correios realizaram no sábado (7) e domingo (8) um mutirão em que foram entregues mais de 6,6 milhões de cartas e encomendas. Durante a ação também foram triados (separados para entrega) cerca de 10,5 milhões de objetos.

A assinatura do Acordo Coletivo de Trabalho 2017/2018 pela empresa e federações representantes dos trabalhadores está prevista para amanhã(10). A proposta de acordo prevê, entre outros pontos, reajuste de 2,07% (INPC) retroativo ao mês de agosto de 2017, compensação de 64 horas (8 dias) e desconto dos demais dias de ausência.

Greve de funcionários dos Correios continua no Maranhão

A greve geral dos Correios começou em boa parte do país ontem (19) e atinge 20 estados e o Distrito Federal, segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect). Aqui no Maranhão apenas os funcionários do setor de distribuição de São Luís estão de braços cruzados e por motivo diferente do nacional, que seria exigência de estrutura adequada para o trabalho. Segundo a categoria local o prédio de distribuição é muito quente o que impossibilita o trabalho de forma saudável e eficiente.

Estrutura da sede de distribuição dos Correios de São Luís não seria adequada.

A paralisação nacional, que reivindica melhorias salariais, envolve os trabalhadores dos sindicatos de Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Brasília (DF), Campinas (SP), Ceará, Espírito Santo, Goiás, Juiz de Fora (MG), Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Ribeirão Preto (SP), Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Maria (RS), Santos (SP), São José do Rio Preto (SP), Sergipe, Santa Catarina, Uberaba (MG) e Vale do Paraíba (SP).

A paralisação deverá afetar as entregas e prejudicar os consumidores que dependem dos serviços da estatal postal.

Funcionários dos Correios de São Luís em greve

Greve é em setor específico, mas em ponto importante de distribuição de São Luís

Quem espera por cartas ou encomendas em São Luís ainda não começou a sentir a interferência da greve dos correios de funcionários do Centro de tratamento de Cartas e encomendas, que funciona no km 4 da BR 135.

A paralisação iniciou na terça (12) depois de aprovação por unanimidade em assembleia da categoria realizada na segunda (11). A greve não é por salários como é comumente visto em vários segmentos e categorias, mas sim por condições de trabalho, eles reclamam do calor, caracterizado por eles como insuportável. O setor é muito importante porque é responsável pela triagem do que entra ou sai de São Luís, através dos Correios.

Os trabalhadores reivindicam melhorias no prédio onde funciona essa unidade, que segundo eles, não há climatização e a sensação na pele é de uma temperatura próxima dos quarenta graus, durante toda a jornada de trabalho.

A paralisação é por tempo indeterminado e tem como objetivo pressionar investimentos na infraestrutura ou até mudança do prédio alugado. Ainda não houve negociação.