Membro do PV divulga nota negando que Adriano Sarney seja oficialmente pré-candidato a prefeito de São Luís pela legenda

O integrante do Partido Verde e ex-secretário de estado do Meio Ambiente, Washington Rio Branco, divulgou nota negando que o partido tenha ‘batido o martelo’ sobre a pré-candidatura de Adriano Sarney (PV) ara disputar as eleições de 2020.

A nota do ex-secretário reponde à repercussão da presença do presidente nacional da legenda, José Luís de França, que supostamente teria reforçado p nome de Adriano Sarney na disputa da prefeitura de São Luís.

Veja a nota abaixo 

NÃO É VERDADE que a Direção Nacional discutiu a candidatura de Adriano Sarney a prefeito de São Luís e dá seu total apoio.Tal afirmativa é um esforço unilateral ou uma atitude presidencial ad referendum, sem envolvimento de dirigentes nacionais reeleitos.

Aliás, afirmo que o presidente José Luís de França Penna perdeu em número de votos a eleição da Direção Nacional, em 27 de outubro deste ano em curso, sendo reconduzido pelo grupo Novo Verde (que não tem o controle), ao status de presidente e que será revisto caso não se cumpra a reunião do coletivo dirigente nacional até dezembro de 2019.

Mais que verdade são os dois pedidos de formação de Conselho de Ética para o membro da Executiva Nacional, José Sarney Filho, um já amplamente divulgado pela imprensa nacional e outro que será ainda publicizado. Razões maiores para sua saída da sigla foi o sinal da sua substituição de Dirigente Nacional Parlamentar, para o ex-senador Hudson Leite (PV-RO).

Também não é verdade que o membro do Diretório Nacional, Ivanilson Gomes, realizou em 22/11/19, em São Luís, representando o Instituto Herbet Daniel, uma consulta prévia entre os presentes e colocou à disposição dos participantes a decisão sobre as eleições da capital maranhense, conforme desmentiu o conselheiro, que nem aceitar o convite de almoço aceitou, indo para o hotel e viajando no outro dia para Salvador-BA.

Assim, a história do Partido Verde em todo país tende a mudar a qualquer instante, por uma simples questão imperiosa, que é a decisão da maioria pela digna sobrevivência e transparência política.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *