“Investir na primeira infância é semear em terra fértil”, defende professora Cássia

*Professora Cássia

Na educação infantil as crianças apenas brincam. Então por que investir na educação na primeira infância? Este é o pensamento errôneo de muitas pessoas e parte do poder público.

Primeiramente é necessário compreender que a aprendizagem através da brincadeira entre as crianças e seus pares é intencional, planejada e orientada. Investir na primeira etapa da educação é cuidar da criança desde o nascimento até os seis anos, universalizando creches e pré-escolas, onde as crianças possam desenvolver integralmente, por meio das experiências oportunizadas rodas de conversas, iniciação em informática, noções de português, matemática, leitura, vivência em sociedade, com assistência médica, alimentação adequada, esporte, noções de cidadania, atividades culturais.

Com estes cuidados as crianças, sobretudo, as mais pobres terão felicidade em continuar os estudos, chegarão preparadas e entusiasmadas para as etapas dos ensinos fundamental, médio e a ingressarem nas universidades.

Infelizmente, o cenário atual no país é outro. Nos últimos anos, a redução de recursos vem colocando em risco as metas estabelecidas para a educação básica, que inclui a educação infantil. Além disso, alguns projetos educacionais de âmbito nacional foram suspensos, dentre eles o Proinfância criado no governo Lula e que tinha como objetivo dar assistência à construção de creches em todo o país. Hoje, assistimos ao desmonte da educação em seus diversos níveis, conduzido pelo governo federal.

Os investimentos na educação são necessários e partem das políticas públicas e econômicas. Afinal, investir no desenvolvimento infantil é projetar um futuro com homens e mulheres capacitados e produtivos, o que significa elevada taxa de retorno ao Estado e à sociedade.

Investir na primeira infância significa ter um adulto com capacidades e habilidades mais desenvolvidas, reduzir as desigualdades, combater a pobreza e os altos índices de violência.

Priorizar a educação infantil não é apenas responsabilidade das famílias e escolas, mas da sociedade e dever do poder público. Investir na primeira infância não é gasto. É semear em terra fértil e colher bons e duradouros frutos para a vida inteira.

*Professora Cássia é graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), servidora pública concursada da rede de ensino de São Luís, cursa Especialização de Psicopedagogia Clínica e Institucional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.