Inmet alerta para chuvas mais intensas nesta segunda-feira, 9

Chuvas intensas são previstas para esta segunda-feira (9), em parte do Maranhão, segundo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O órgão emitiu alerta laranja e amarelo para o estado.

O Inmet apontou que devem ser registradas chuvas intensas em alguns municípios maranhenses, incluindo os quatro que compõe a Grande Ilha de São Luís. O alerta laranja, com alto perigo de chuvas, deve se estender pelas áreas leste, norte e centro do Maranhão.

Devido ao alerta, podem ser registradas chuvas entre 30 a 60 milímetros por hora ou 50 e 100 milímetros por dia, além de ventos entre 60 a 100 km/h. Há risco de alagamentos, corte de energia elétrica, quedas de galhos de árvores e descargas elétricas.

O alerta amarelo deve compreender as áreas oeste, norte, leste e centro maranhense. Nestas regiões, há risco de ventos entre 40 a 60 km/h.

Cratera pode causar rompimento da BR-316

Alagamento em área de bueiros na BR-316, causam risco de rompimento de um trecho da rodovia. Nesta segunda-feira (25), o trânsito ficou complicado devido cratera se formou no acostamento, entre as cidades de Araguanã e Zé Doca.

Em Nova Olinda, há pelo menos três pontos de risco, onde a rodovia pode se romper a qualquer momento.

O temporal, que durou cerca 10h, aumentou os buracos e dificultou tráfego de veículos no trecho das regiões do Vale do Pindaré e Alto Turiaçu.

Motoristas que forem trafegar na BR-316, entre Santa Inês, Nova Olinda e Zé Doca, tem que ter muito cuidado, principalmente os caminhoneiros.

Grande Ilha: Fortes chuvas causam alagamentos e rompimento de vias

Acúmulo de água, alagamentos em ruas e avenidas, tráfego de veículos e pedestres prejudicados foram o saldo das chuvas fortes, que atingiram a Grande Ilha, na madrugada desta terça-feira (19).

A MA-201, na Estrada de Ribamar, no trecho em que está o Rio Paciência, em São José de Ribamar, foi um dos pontos de maior concentração de água. O rio transbordou e tomou conta de parte da rodovia estadual.

Na capital, a Rua 5, no bairro Vila Itamar, ficou alagada, prejudicando moradores. No bairro Cidade Operária, a Avenida Este Externa, ao lado da Unidade 105, ficou tomada pela água. A força da água foi tão grande que chegou a derrubar o portão da casa dela.

Na Vila Apaco, também região da Cidade Operária, parte do asfalto da Rua Moacir Torres cedeu com a chuva da madrugada e formou uma cratera. Quem passou pelo local, precisou redobrar a atenção para não cair no buraco que está no meio da rua.

Mais chuvas

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) já havia emitido um alerta laranja e amarelo de chuvas intensas no Maranhão. Segundo o órgão, havia perigo potencial de chuvas intensas em todas as regiões, com registros entre 20 a 30 milímetros por hora ou até 50 milímetros por dia.

A previsão do tempo para esta terça-feira (19) é sol com muitas nuvens durante o dia e períodos de nublado, com chuva a qualquer hora em São Luís. As temperaturas variam entre 24ºC e 30°C.

Inmet alerta para chuvas fortes no Maranhão

Neste sábado (16) e domingo (17), há previsão de chuvas entre 20 a 30 milímetros por hora, ou até 50 milímetros por dia, com ventos intensos, oscilando entre 40 a 60 km/h. As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), que emitiu um alerta amarelo de perigo potencial das chuvas, em parte das regiões norte, sul, centro e leste do Maranhão.

Municípios com histórico de alagamentos e  enchentes, a exemplo de Trizidela do Vale, Pedreiras e Imperatriz, estão sob monitoramento do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil. Um total de 32 cidades decretaram situação de emergência no estado.

Neste sábado (16), a previsão também é de sol com nuvens, períodos nublados e chuva a qualquer hora. A temperatura máxima pode chegar a 30° com chance de 90% de chuva.

Para o domingo (17), a previsão é de sol com algumas nuvens e chuva passageira durante o dia. A noite, o tempo fica mais firme e há chance de 90% de chuva. As temperaturas podem variar entre 24° e 30°.

Chuva causa transbordamento de riachos e alagamentos em Imperatriz

A chuva que atingiu Imperatriz, na madrugada desta terça-feira (29), causou transbordamento de riachos e alagamentos em vários bairros. Alguns pontos precisaram ser interditados.

Os riachos Capivara e Cacau, na BR-010, transbordaram cobrindo marginais da rodovia. Com apenas a pista central livre na maior parte do trecho urbano, o trânsito nas primeiras horas da manhã ficou engarrafado, com uma fila quilométrica de veículos.

No Hospital Regional Materno Infantil pacientes registraram os transtornos com a água dentro da unidade. A rua Ceará, uma das mais movimentadas, cortada pelo riacho Bacuri, está intrafegável no bairro Bacuri e a rua Leôncio Pires Dourado, que é paralela, registra muitos veículos na contramão com a interdição na Ceará.

De acordo com a Defesa Civil, choveu cerca de 120mm, acima do que estava previsto pelo órgão. Alerta foi emitido ainda ontem (28), anunciando chuvas intensas na região. Agentes estão monitorando os principais pontos alagados. A previsão é de mais chuva nesta terça-feira.

Casas no bairro São Raimundo estão com risco de desabar

As chuvas causaram risco de desabamento no bairro São Raimundo. Erosão por conta das águas, ameça deslizamento de encosta, que vem aumentando com as últimas chuvas. Pelo menos 10 residências estão em risco.

A Defesa Civili informou que enviará uma equipe, na tarde desta quinta-feira (24), para averiguar a atual situação junto às famílias.

Mesmo com o risco, laudo da Defesa Civil Municipal, feito antes do desmoronamento, não considerou a área como risco iminente. Segundo o laudo, a área de deslizamento ficava a 30 metros das casas.

A Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp) disse que vai enviar equipe técnica para avaliar as condições do local.

 

Após chuvas, Anjo da Guarda segue monitorado pela Defesa Civil

A Defesa Civil da capital segue monitorando a região do Anjo da Guarda, nesta terça-feira (22). Moradores do local foram afetados pelas últimas chuvas na capital. Na Rua Palestina, uma das mais prejudicadas no bairro, duas casas desabaram e ameaçam outras construções no entorno. As residências caíram em uma ribanceira durante a forte chuva do fim de semana.), técnicos da Defesa

Trecho foi interditado e as equipes têm acompanhado a situação de perto. Até o momento, são 11 casas em risco no local e as famílias devem ser realocadas. Ao todo, há 60 áreas de risco monitoradas em São Luís.

“As famílias concordaram em sair. Nós vamos encaminhar para a Secretaria de Assistência Social, para que providencie um auxílio moradia para que essas famílias possam ir por um determinado tempo até que se resolva a questão da encosta”, afirmou Alexandro Silveira, superintendente da Defesa Civil.

Mais chuvas
O mês de março, segundo os meteorologistas, é o período que mais chove na capital e quem vive em áreas de risco fica preocupado. Segundo a meteorologia da UEMA, é a zona de convergência intertropical que faz com que esse período seja mais chuvoso que os outros. Para abril e maio também são esperadas chuvas mais intensas, segundo os meteorologistas.

MA: Cidades decretam situação emergência devido chuvas

Por causa das fortes chuvas, 24 cidades maranhenses decretaram situação de emergência. As áreas mais atingidas foram a Baixada Maranhense e a Região dos Cocais. Em todo o estado, são quase mil pessoas afetadas pelas chuvas. Destas 295 estão desabrigadas ou desalojadas.

Em Pedreiras, na zona rural, o acesso a seis povoados desapareceu com a maior cheia do Rio Mearim este ano. Só dá para chegar as comunidades de barco. São 101 famílias isoladas.

Em Bacabal, o Rio Mearim subiu e ruas ficaram alagadas. Na Baixada Maranhense, uma enxurrada assustou os moradores da cidade Pinheiro, onde casas também foram invadidas pela inundação.

Na Região dos Cocais as autoridades estão em alerta. Em Pedro do Rosário o nível do Rio Turiaçu subiu e deixou 500 pessoas desabrigadas.

A Defesa Civil utiliza drones para fazer o monitoramento desses locais e botes para transportar os moradores. O Corpo de Bombeiros monitora cidades do Maranhão e alerta que março e abril são os meses que concentram maior volume de chuva.

Chuvas causam estragos no Terminal da Cohama

As fortes chuvas causaram vários estragos no Terminal de Integração da Cohama, em São Luís, na madrugada deste sábado (19). . O local teve o telhado arrancado e por conta disso, as plataformas 1 e 2 estão interditadas. As demais tiveram danos parciais na cobertura. Não houve feridos e o terminal continua funcionando.

Por conta dos ventos e chuva, pedaços do telhado voaram e ficaram presos na fiação da rede elétrica na avenida Daniel de la Touche, na Cohama. O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET) disse que o problema não vai comprometer as operações no terminal.

Em nota, a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) informou que a área afetada foi isolada pelo Corpo de Bombeiros e Defesa Civil. O terminal é administrado por empresa concessionária do serviço – o Consórcio Primor.

Rios podem causar mais enchentes no Maranhão, alerta Ministério de Energia

O Ministério de Minas e Energia divulgou alerta sobre o nível de rios no Maranhão. Segundo o comunicado, emitido na quinta-feira (17), mais rios correm o risco de transbordar nos próximos dias. O motivo são as fortes chuvas.

Os especialistas apontam que entre março e abril é o período de chuvas mais intenso dos últimos vinte anos na região Sul do Maranhão. Da metade do mês de outubro até as primeiras duas semanas de março choveu mais que o dobro do previsto.

O rio Itapecuru já entrou na cota de inundação em Codó, e em estado de alerta em Caxias. Na bacia do Itapecuru, em Codó, o rio subiu de 4,7 metros para 6,9 metros, ultrapassando o nível de inundação, que é de 6,8 m na região. Já em Caxias, o rio apresentava 4,84 m de altura e passou para 5 metros.

Em Pedro do Rosário, a prefeitura decretou estado de calamidade pública, após as chuvas das últimas semanas. No município, o rio Pericumã transbordou e vários bairros estão alagados. Um trecho da MA-006, que dá acesso a outros municípios, está completamente alagado e isso impede o trânsito de moradores.

Em Balsas, a chuva no meio da tarde de ontem durou mais de uma hora e deixou muitas ruas alagadas e o trânsito ficou lento porque o rio Maravilha transbordou. A água chegou a poucos centímetros da ponte de madeira que dá acesso ao povoado Jenipapo. A enchente encobriu uma das cabeceiras da ponte e os moradores só conseguem atravessar de moto ou a pé.

Em outras regiões, como o bairro Nazaré, a ponte que leva ao centro de Balsas foi interditada depois que a força da chuva deixou a estrutura comprometida. Na zona rural, a colheita dos agricultores está comprometida porque o excesso de umidade do solo impede as máquinas de entrar nas lavouras. O transporte da safra também está prejudicado por causa das condições das estradas.