Grande Ilha: Fortes chuvas causam alagamentos e rompimento de vias

Acúmulo de água, alagamentos em ruas e avenidas, tráfego de veículos e pedestres prejudicados foram o saldo das chuvas fortes, que atingiram a Grande Ilha, na madrugada desta terça-feira (19).

A MA-201, na Estrada de Ribamar, no trecho em que está o Rio Paciência, em São José de Ribamar, foi um dos pontos de maior concentração de água. O rio transbordou e tomou conta de parte da rodovia estadual.

Na capital, a Rua 5, no bairro Vila Itamar, ficou alagada, prejudicando moradores. No bairro Cidade Operária, a Avenida Este Externa, ao lado da Unidade 105, ficou tomada pela água. A força da água foi tão grande que chegou a derrubar o portão da casa dela.

Na Vila Apaco, também região da Cidade Operária, parte do asfalto da Rua Moacir Torres cedeu com a chuva da madrugada e formou uma cratera. Quem passou pelo local, precisou redobrar a atenção para não cair no buraco que está no meio da rua.

Mais chuvas

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) já havia emitido um alerta laranja e amarelo de chuvas intensas no Maranhão. Segundo o órgão, havia perigo potencial de chuvas intensas em todas as regiões, com registros entre 20 a 30 milímetros por hora ou até 50 milímetros por dia.

A previsão do tempo para esta terça-feira (19) é sol com muitas nuvens durante o dia e períodos de nublado, com chuva a qualquer hora em São Luís. As temperaturas variam entre 24ºC e 30°C.

Greve: Grande São Luís permanece sem ônibus; reunião pode por fim ao movimento

A capital segue mais um dia sem ônibus nas ruas, com a greve que, nesta quarta-feira (30), completa 44 dias. Para hoje está marcada uma reunião entre rodoviários e empresários, que é a expectativa de por fim à paralisação. O encontro será às 15 horas, na sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MA), na Areinha.

Quem precisa trabalhar, ir à escola, tratamento médico ou outros compromissos, está fazendo malabarismos para conseguir transporte. A saída tem sido o transporte alternativo, como vans, mototáxi, táxis lotação ou carros de aplicativos. Essas opções acabam saindo caras em razão também do preço da gasolina.

Em nota, o Sindicato dos Rodoviários do Maranhão informou que, a pedido da Prefeitura de São Luís, a entidade e o sindicato patronal (SET) foram convocados para uma nova audiência e confirmou que estará presente.

A entidade disse também que “não tem interesse algum em causar transtornos a população, mas apelar para a greve foi a única alternativa que restou, para que o rodoviários tivessem os seus direitos respeitados e garantidos pelos empresários”.

Greve dos rodoviários a partir desta terça-feira (29)

O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão confirmou que a paralisação da categoria está mantida para amanhã (29). Em comunicado, nesta segunda-feira (28), o presidente da entidade, Marcelo Brito, ressaltou que a greve total foi votada em assembleia geral da categoria e vai ser cumprida. O movimento vai impactar no transporte público de São Luís e demais cidades da Região Metropolitana.

“Os empresários, até então, não apresentaram qualquer proposta que atenda aos trabalhadores. Um total descaso e desrespeito com a população e, principalmente, com os rodoviários, uma categoria que, assim como todas as outras, merece ter os seus direitos garantidos”, frisou o presidente da entidade, Marcelo Brito, em comunicado.

Mês passado, os rodoviários haviam parado 100% da frota, mas a Justiça do Trabalho determinou a manutenção de 60% dos coletivos nas ruas. Desde o dia 16 de fevereiro, cerca de 800 mil usuários do transporte coletivo da Região Metropolitana de São Luís vivem com o estado de greve da categoria.

Reivindicações

Os rodoviários reivindicam índice de 15% de reajuste salarial, ticket alimentação no valor de R$ 800,00 e manutenção do plano de saúde pelas empresas componentes da categoria patronal do dissídio. Pedem ainda, o pagamento das diferenças resultantes desse percentual nos salários e no ticket alimentação dos membros da categoria profissional, retroativamente a janeiro de 2020 (data-base).

Rodoviários e empresários não chegam a acordo e greve continua em São Luís

Pelo menos até a próxima quarta-feira (16) São Luís continuará com 60% da frota de ônibus em circulação, com os rodoviários mantendo o estado de greve. Nova audiência está marcada para esta data. Enquanto isso, o sistema de transporte coletivo circula com pouco mais da metade da frota.

Uma solução para o impasse entre patrões e empregados do setor estava sendo aguardada para a sexta-feira (11), mas a audiência de conciliação terminou sem acordo.

Mesmo com o aumento de R$ 0,20 nas passagens de ônibus e com o auxílio mensal pago pela Prefeitura de São Luís, os empresários continuam alegando que não têm condições de atender as reivindicações dos trabalhadores.

Os rodoviários exigem 15% de reajuste salarial; R$ 800,00 de ticket alimentação e manutenção do plano de saúde concedido aos trabalhadores.

Chuvas ainda causam transtornos no Maranhão

O Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBMMA) informou que equipes permanecem monitorando cidades afetadas pelas chuvas, entre estas Poção de Pedras e Imperatriz. Totalizam 838 famílias desabrigadas ou desalojadas pelas chuvas, segundo último boletim emitido pela corporação, na segunda (21).

O número de famílias desabrigadas no interior do estado reduziu, em relação ao mês de janeiro, mas, 34 municípios ainda permanecem em monitoramento. Na última semana, uma enxurrada ocorrida no município de Poção de Pedras causou vários prejuízos, 74 famílias estão desabrigadas ou desalojadas, mas recebem auxílio do poder público.

As equipes dos bombeiros trabalham na operação de resgate e auxílio humanitário, em todos os municípios com registros de grandes danos. No momento, os municípios que inspiram maiores cuidados, são: Pedreiras e Trizidela do Vale, onde o rio Mearim já ultrapassou novamente a cota de inundação.

Desde janeiro deste ano, o volume de chuvas provocou a inundação de rios e córregos, principalmente na região sul, central e oeste do Maranhão. Um total de 22 municípios decretaram situação de emergência: Barra do Corda, Buriti Bravo, Caxias, Colinas, Estreito, Formosa da Serra Negra, Fortuna do Maranhão, Grajaú, Imperatriz, Jatobá, Lagoa Grande do Maranhão, Mirador, Paraibano, Parnarama, Pedreiras, Santa Quitéria, São João do Sóter, São Luís Gonzaga, Vila Nova dos Martírios, São Pedro da Água Branca, São Roberto e Trizidela do Vale.

No final do mês de janeiro, foram registradas até 2200 famílias desabrigadas e desalojadas. Ao todo 7600 famílias foram afetadas direta ou indiretamente pelos prejuízos.

Leitos para Covid-19 têm queda na ocupação, na Grande Ilha

Pela segunda semana consecutiva, reduz a taxa de ocupação dos leitos exclusivos para Covid-19, na Região Metropolitana de São Luís. Dados do último boletim divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), no domingo (13), apontam queda nestas ocupações, no comparativo dos últimos sete dias.

Leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) estão ocupação em 48,84%. Atualmente, 42 dos 86 leitos disponíveis estão ocupados, Um total de 44 leitos está livre. Nos registros do dia 7 de fevereiro, estes leitos apresentavam taxa de 54,65%.

Redução também no índice de ocupação dos leitos clínicos – de 49,38% para 38,13% no período. Dos 160 leitos disponíveis, 61 estão ocupados, restando 99.

Em Imperatriz, a ocupação dos leitos de UTI se manteve a mesma do dia 7 – 30%. Já os leitos clínicos apresentaram alta – de 36,11% há uma semana, ficaram em 41,67% neste último boletim.

Os dados referem à hospitais de São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa.

Greve dos rodoviários continua

O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Maranhão (STTREMA) e o Sindicato das Empresas de Transporte (SET) não chegaram a um acordo, na audiência realizada no sábado (23). A greve se mantém, até que reivindicações da categoria de motoristas sejam atendidas. Esta foi a segunda tentativa de um entendimento entre as partes. Nas segunda-feira (25), nova audiência está marcada, às 15h, na sede do Ministério Público do Trabalho do Maranhão (MPT-MA), em São Luís.

Mais de 700 mil usuários do transporte coletivo da Grande São Luís estão sem poder usar o serviço público. Com o objetivo de reivindicar aumento salarial, os rodoviários seguem para o quarto dia de greve. Empresários do setor alegam que reajuste salarial somente pode ser concedido mediante aumento da tarifa do transporte. No entanto, a prefeitura de São Luís garante que não haverá aumento.

Rodoviários dizem que os donos das empresas não cumprem a Convenção Coletiva de Trabalho. Eles reivindicam reajuste nos salários em 13%, jornada de trabalho de seis horas, tíquete-alimentação no valor de R$ 800, manutenção do plano de saúde e a inclusão de um dependente, e concessão do auxílio-creche para trabalhadores com filhos pequenos.

A Justiça federal do Trabalho bloqueou as contas do STTREMA, por não cumprir determinação de retorno às atividades. Os rodoviários estão em greve desde a última sexta-feira.