Com aluguel social pago pela Prefeitura de São Luís famílias atingidas pelas fortes chuvas mudam para local seguro

Com o Benefício Eventual Auxílio Moradia (aluguel social) pago pela Prefeitura de São Luís, as famílias atingidas pelas fortes chuvas na cidade começam a mudar para residências em local seguro. O benefício faz parte de um conjunto de ações que vêm sendo desenvolvidas pelo poder público municipal para atender as necessidades das famílias que tiveram suas casas interditadas por risco de enchentes e deslizamentos. O trabalho foi determinado pelo prefeito Edivaldo Holanda Junior e a força-tarefa inclui ações de equipes da Defesa Civil e de secretarias como Saúde, Assistência Social e Obras e Serviços Públicos. Os primeiros alugueis começaram a ser pagos às famílias dia 30 de março.

A secretária municipal da Criança e Assistência Social, Andreia Lauande, afirma que seguindo determinação do prefeito Edivaldo, a Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas) vem priorizando a assistência a essas famílias. “É importante destacar que esse acompanhamento da Semcas obedece a uma ordem do Plano de Contingência, que integra serviços de diversas secretarias. Temos oferecido acolhimento provisório e auxílio com cestas básicas, enquanto são levantadas as informações para o acompanhamento das famílias”, destaca a secretária.

A família de Brenda da Silva, 20 anos, é uma das famílias do bairro Salinas do Sacavém que já estão abrigadas em local seguro após o recebimento da primeira parcela do aluguel social. Depois de passarem uma semana acolhidos em uma igreja, ela, o marido e os três filhos moram agora em um local seguro, fora de risco. Assim como a família de Brenda, as demais famílias da área estão sendo acompanhadas pelo Centro de Referência de Assistência Social (Cras), equipamento da Prefeitura de São Luís, cujo trabalho conta com a articulação da Associação das Donas de Casa da Salinas do Sacavém.

“Desde o começo, estamos sendo acompanhados pelas equipes do Cras, que têm nos dado todo o apoio. Minha casa encheu e eu perdi quase tudo que eu tinha, fomos para a igreja e passamos uma semana lá. Fiquei muito feliz com o pagamento do aluguel social, pois pude vir para esta casa com minha família e sair do risco de acontecer qualquer coisa com a gente. Eu já tinha visto essa casa e com o benefício pude pagar e me mudar para cá”, disse Brenda, mãe de três filhos, um deles um bebê de 28 dias.

Junto com a família de Brenda, os familiares de Simone Oliveira, 41 anos, também estavam abrigados na igreja. Simone foi contemplada com o aluguel social e já está na nova casa. “O essencial foi ter tirado a gente de lá, de uma situação de risco. Perdi tudo, mas as coisas estão se organizando. Ainda bem que existe o aluguel social e a gente tem a oportunidade de recomeçar e ir se organizando aos poucos. O importante é preservar a nossa vida”, disse Simone, que também foi alcançada por outras ações da Prefeitura como a distribuição das cestas básicas e os serviços de saúde.

 

O neto de Simone foi atendido em ação de saúde realizada no bairro. Na última semana, o poder público municipal realizou, através da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), atendimentos como triagem com pesagem, aferição de pressão e glicemia, consultas médicas e de enfermagem, distribuição de medicamentos da farmácia básica, encaminhamentos para consultas especializadas e exames laboratoriais além de ações de educação em saúde e informações sobre como prevenir doenças como dengue, zika e chikungunya

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *