Operação Catraca é intensificada depois de casos de assalto à ônibus em São Luís

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) intensificou as ações diárias em combate a assaltos a ônibus na Região Metropolitana de São Luís. Segundo a corporação, todos os batalhões operacionais da Polícia Militar (PM) estão realizando “policiamento ostensivo por meio de viaturas, motocicletas, a cavalo e a pé”, com destaque para a Operação Catraca, especificamente voltada para enfrentar crimes em coletivos.

O aposentado Tenaque Silva estava em um ônibus vistoriado nesta quinta-feira (19) pela Operação Catraca e aprovou a ação. “É bom porque se tiver ameaça de assalto [no ônibus] eles pegam”, disse.

O objetivo da ação é coibir delitos, apreender armas de fogo e identificar foragidos. De acordo com o tenente-coronel da PM, Cláudio André, a Operação Catraca é uma ação de rotina, diurna, com abordagem pessoal no interior de coletivos, vans e demais veículos de passeio que fazem transporte público na Grande Ilha.

“O objetivo é proporcionar mais segurança aos usuários de transporte coletivo, vans, transporte alternativo, por meio de abordagens. Essa operação é desenvolvida em toda a Região Metropolitana. É realizada manhã, tarde e noite, diuturnamente, visando proporcionar mais segurança para os usuários desse tipo de transporte”, frisou o militar.

Redução

Dados da SSP apontam que as ações da Operação Catraca ajudaram a melhorar indicadores da violência no transporte coletivo da capital. Em nota à imprensa, a SSP apresenta números que revelam redução no número de assaltos a ônibus, no comparativo entre os anos 2021 e 2022.

Em abril, houve redução no número de roubo a coletivos na Grande São Luís. A redução foi de 134 para 115, uma diferença de 15%.

O segurança Luciano Rodrigues também passou por uma abordagem policial e defende a Operação. “É bom demais. Diminui assalto dentro dos coletivos”, afirmou.

Além das ações nos principais corredores de segurança da capital (BRs, MAs, avenidas e ruas), policiais militares realizam incursões nos bairros, inibindo assim ações criminosas. Para dar maior celeridade no atendimento das ocorrências e consequentemente atender com maior presteza à comunidade, a PMMA conta com o videomonitoramento do Centro Integrado de Operações de Segurança (CIOPS) e do apoio do Centro Tático Aéreo (CTA).

Mulher morre ao pular de ônibus em movimento durante assalto

Nesta quarta-feira (18), uma mulher morreu ao se jogar de um ônibus em movimento durante um assalto na Estrada de Ribamar, Região Metropolitana de São Luís.

De acordo com a polícia , a vítima foi identificada como Regina Rodrigues França, de 39 anos. Ela teria se assustado quando dois assaltantes entraram no ônibus, da linha Paranã/São Francisco, na região próximo a Química Norte.

A dupla teria ameaçado os passageiros e o motorista do ônibus, o que fez Regina pular pela janela. Ao cair, ela teve um forte impacto na cabeça e morreu nas proximidades da garagem da Taguatur.

Os criminosos concluíram o assalto e depois fugiram para uma região de matagal. A Polícia Militar diz que realizou rondas na região, mas ninguém foi preso. O corpo de Regina foi encaminhado ao Instituto Médico Legal, em São Luís para reconhecimento dos familiares.

Alunos ficam feridos após teto de escola desabar

O teto da quadra esportiva do Centro Educacional e Social São José Operário, no bairro Cidade Operária, desabou e deixou quatro estudantes feridos, nesta sexta-feira (6). O desabamento ocorreu na hora do intervalo, segundo o Corpo de Bombeiros Militar, que foi acionado para prestar  assistência e periciar o local.

Não foi revelada a identidade dos feridos. Eles foram socorridos e levados para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro. O local vai ser periciado e o resultado será encaminhado para a Polícia Civil.

O Centro Educacional e Social São José Operário é mantido pelo Instituto Pobres Servos da Divina Providência, entidade católica sem fins lucrativos.

Polícia Civil inicia interrogatório de testemunhas sobre assassinato de líder quilombola

A Polícia Civil iniciou, nesta segunda-feira (2), os interrogatórios de testemunhas, dando continuidade às investigações sobre o assassinato do líder quilombola Edvaldo Pereira Rocha. São realizadas ainda, novas diligências e análise de provas técnicas. O caso ocorreu na última sexta-feira, quando a liderança foi morta a tiros. Ele era presidente da Associação de Quilombolas do povoado Jacarezinho, no município de São João do Sóter.

As investigações são conduzidas pela Delegacia Regional de Caxias e têm acompanhamento das secretarias de Estado de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop) e de Igualdade Racial (Seir).

O titular da Regional de Caxias, delegado Alcides Neto, explicou que os trabalhos estão em curso e não pararam desde o dia do ocorrido. “Colhemos informações sobre o caso e que serão mais aprofundadas, após as oitivas das testemunhas. Também solicitamos exames periciais técnicos. O trabalho é intenso para que tenhamos, o quanto antes, a identificação dos envolvidos neste crime”, frisou.

Com os interrogatórios, a polícia pretende identificar envolvidos no caso e outras lideranças da comunidade que tenham recebido ameaças. A polícia analisa também estojos e projéteis de arma de fogo coletados no local e já repassados ao Instituto de Criminalística (ICRIM).

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA) mantém equipes em São João do Sóter para garantir agilidade nas investigações e o mais breve possível, identificar os suspeitos. Foi reforçado ainda o policiamento à comunidade da região, para prevenir novos ataques.

Segurança Pública realiza mais de 23 mil abordagens e mais de 360 conduções em operação

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA) ultrapassou as 23 mil abordagens a pessoas e veículos e conduziu mais de 360 suspeitos a delegacias, durante a Operação Integrada Tiradentes. Os números foram divulgados em coletiva, nesta terça-feira (26), na sede do órgão, Vila Palmeira. A operação foi realizada em todo o estado, de 21 a 24 deste mês, para prevenir e combater criminalidades diversas.

Durante a operação a polícia contabilizou, na capital e interior, 23.434 abordagens a pessoas e em veículos. Ainda, a condução de 387 pessoas, sendo 20 menores; cumprimento de nove mandados de prisão; e 149 prisões em flagrante. Em volume de drogas, somaram 1.680g apreendidos.

Em armas, a ação contabilizou a apreensão de nove simulacros e de 70 armas, sendo 46 de fogo. No que refere a ocorrências com veículos foram 735 situações, sendo que 77 foram recuperados e 36 apreendidos. Integrando o trabalho, batalhões de Polícia Militar nos municípios promoveram 211 operações paralelas, somando com as atividades da Operação Integrada Tiradentes.

“Os dados são muito satisfatórios para a Segurança Pública. Alcançamos o objetivo no que refere à prisão de suspeitos envolvidos em crimes diversos e na apreensão de armas e drogas. É muito importante que o sistema de segurança esteja nas ruas, de maneira visível e acessível, para garantir a segurança dos cidadãos”, frisou o titular da SSP-MA, coronel Silvio Leite, que informou a continuidade da operação nos 217 municípios.

Operação policial cumpre 19 mandados contra organização criminosa

Uma operação da Polícia Civil, realizada nesta quarta-feira (20), cumpriu 19 mandados de busca e apreensão, além de prisão preventiva, na cidade de Paço do Lumiar, Região Metropolitana de São Luís. O foco é a prisão de suspeitos de participar de organização criminosa na localidade.

Segundo o superintendente da Polícia Civil da Capital (SPCC), delegado Carlos Alessandro Rodrigues, os presos são suspeitos de envolvimento em crimes como tráfico de drogas e homicídios. “Estes suspeitos atuavam em Paço do Lumiar, sendo que, além do crime de organização criminosa, também há índicios de cometimento de tráfico de drogas e homicídios na região”, frisou.

A investigação teve início há dois anos e, até o momento, 11 pessoas já foram presas, sendo que quatro estavam no sistema penitenciário de Pedrinhas, mas continuavam determinando ordens de fora do presídio. As investigações vão prosseguir para dar cumprimento a outros novos mandados de prisão contra membros que possam atuar nesta organização criminosa.

Operação Páscoa Segura contabiliza quase 30 mil abordagens

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA) divulgou o balanço da operação Páscoa Segura, durante coletiva à imprensa, na segunda-feira (18). O trabalho, realizado de 14 a 17 de abril, resultou em quase 30 mil abordagens, prisões de suspeitos, apreensão de armas e drogas. A ação mobilizou equipes da Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros Militar.

De acordo com o relatório apresentado pela SSP-MA, foram realizadas 29.357 abordagens a pessoas, na busca de armas, drogas ou por suspeitas de ilícitos. A operação contabilizou ainda, a apreensão de 888 entorpecentes, quatro armas de simulacro, 37 armas brancas e 55 armas de fogo. Um total de 411 pessoas foram conduzidas a delegacias e 23 menores apreendidos.

“A operação Páscoa Segura teve como objetivo reforçar o policiamento preventivo e ostensivo na área da Grande Ilha. Durante os trabalhos, as forças de segurança atuaram de forma integrada e avalio que a missão foi cumprida, no sentido de combater criminalidades e garantir o ir e vir seguro ao cidadão”, pontuou o titular da SSP-MA, Silvio Leite.

Weverton Rocha explica retirada de assinatura de CPI que investigaria governo Bolsonaro

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigaria possíveis esquemas de corrupção no Ministério da Educação (MEC), do governo de Jair Bolsonaro (PL), corre risco de ser engavetada. Três senadores retiraram as assinaturas, entre eles, o senador maranhense Weverton Rocha (PDT). Nesta segunda-feira (11), o senador explicou a atitude.

“Cheguei a assinar o documento da CPI, mas imediatamente após assinar, ao examinar melhor a questão, entendi que a CPI caminhar ia numa linha tênue entre a necessária apuração de corrupção no governo e a exposição de parte da comunidade evangélica que busca recursos para seus trabalhos. Então, comuniquei ao senador Randolfe que não subi escreveria, razão pela qual minha assinatura nem chegou a subir no sistema”, justificou Weverton Rocha.

Além de Weverton, retiraram as assinaturas os senadores Oriovisto Guimarães (Podemos/PR) e Styvenson Valentim (Podemos/AC).

Para ser protocolada, a CPI precisaria ter, no mínimo, 27 assinaturas – mas, após a retirada, conta com apenas 24 nomes.

É de autoria do senador Randolfe Rodrigues (REDE/AP) o pedido de abertura da CPI. O objetivo é investigar supostos esquemas de corrupção que envolveriam o ex-ministro do MEC, Milton Ribeiro, o presidente Jair Bolsonaro, pastores e prefeitos.

Ex-presidente da Câmara de Barra do Corda é preso por estupro de vulnerável

O ex-presidente da Câmara de Vereadores de Barra do Corda Edimar Linhares foi preso na manhã desta quarta-feira (6) suspeito do crime de estupro de vulnerável.

A prisão foi solicitado pela 15ª Delegacia Regional de Barra do Corda e atendido pelo juiz Antônio Elias de Queiroga. 

Segundo apurou o ‘Blog Minuto Barra’, Edimar Linhares já foi encaminhado a Unidade Prisional.

Corpo de Bombeiros resgata homem que estava em torre da Mirante

Foi resgatado um homem identificado como Antônio Carlos da Silva, de 47 anos, conhecido como ‘Pirata da Litorânea, que havia subiu na torre de transmissão do Grupo Mirante, em São Luís. O resgate foi feito pelo Corpo de Bombeiros e ocorreu na noite de quarta-feira (30), O homem estava na estrutura desde a manhã do mesmo dia.

A equipe de bombeiro escalou a torre e conversou com o homem para negociar a descida. Ele foi levado ao Hospital Nina Rodrigues.

Por conta da presença do homem na torre, alguns sinais de transmissão dos veículos do Grupo Mirante foram desligados temporariamente, por segurança.