Farra dos combustíveis: Marreca Filho abastece mil litros de uma vez

O deputado federal do Maranhão, Marreca Filho, do Patriotas, apareceu como protagonista em denúncia sobre uso de verba indenizatória para a compra de combustíveis.

O parlamentar de Itapecuru, aliado de Jair Bolsonaro, teria abastecido 1.180 litros de combustíveis em 21 de dezembro de 2019. Marreca disse ter perdido ou rasgado as notas fiscais que comprovariam a compra de tanto combustível de uma vez.

Marreca Filho é o líder da bancada maranhense no Congresso Nacional.

Eleições 2022: todos contra Bolsonaro?

 

Reunidos virtualmente pela primeira vez, para debater os desafios do Brasil, potenciais candidatos ao Palácio do Planalto fizeram duras críticas ao presidente da República, Jair Bolsonaro. Os presidenciáveis citaram condutas do governo federal na gestão da pandemia e em áreas sensíveis ao desenvolvimento do país, como meio ambiente, relações exteriores e educação.

Ciro Gomes (PDT), João Doria (PSDB), Eduardo Leite (PSDB), Fernando Haddad (PT) e Luciano Huck (sem partido) participaram do painel de encerramento da sétima edição da Brazil Conference at Harvard & MIT, evento organizado pela comunidade de estudantes brasileiros de Boston (EUA). Também falaram em “convergência” num projeto de País e para derrotar Bolsonaro na eleição de 2022.

Em clima de cordialidade, os cinco possíveis candidatos ao Planalto listaram uma série de características do governo Bolsonaro consideradas antidemocráticas, como o enfrentamento às decisões do Judiciário e às tentativas de interferir nas polícias militares estaduais.

O governador paulista, João Dória, pontuou que o presidente “flerta permanentemente com o autoritarismo”. O ex-prefeito da capital paulista, Fernando Haddad, também subiu o tom ao classificar o presidente como “genocida” por sua atuação no enfrentamento ao novo coronavírus.

Durante duas horas, os presidenciáveis defenderam que é preciso resgatar investimentos em ciência, tecnologia e infraestrutura – para a retomada do emprego -, mas dar prioridade, de forma urgente, ao atendimento da população mais pobre.

“Sairia candidato para derrotar o facista Bolsonaro”, diz Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que não necessariamente será o candidato do Partido dos Trabalhadores, mas, que se for necessário, disputa as eleições “para ganhar as eleições de um fascista que se chama Bolsonaro, um genocida, por ser o maior responsável pelo caos na pandemia”. Lula está elegível para disputar as eleições de 2022, após ter as condenações anuladas pelo Superior Tribunal Federal (STF).

Apesar da decisão do STF, ainda está em aberto se as quatro ações penais que miram Lula – do tríplex do Guarujá, do sitio de Atibaia e duas sobre o Instituto Lula – vão ser encaminhadas à Justiça Federal do Distrito Federal ou de São Paulo. O julgamento será na próxima quinta-feira, quando o plenário analisa ainda se a suspeição do ex-juiz federal Sérgio Moro vai ser arquivada ou não.

A suspeição de Moro é chave para o futuro da Lava Jato e de Lula. Os ministros vão decidir se as provas coletadas pelo ex-magistrado serão reaproveitadas ou não pelo futuro juiz que assumir os casos de Lula. Se for mantida a suspeição de Moro, as ações terão de voltar à estaca zero.

Em reunião com a ONU, Flávio Dino pede quebra de patentes da vacina contra Covid-19

O governador Flávio Dino defendeu a quebra temporária das patentes das vacinas contra a Covid-19, para acelerar a imunização da população mundial. O pedido foi durante reunião virtual entre o Fórum de Governadores do Brasil e a Organização das Nações Unidas (ONU). Dino representou o Nordeste no evento.

Amparado na função social da propriedade intelectual, Dino destacou que existe uma super-demanda e uma capacidade limitada na produção de vacinas. Além disso, pontuou que a comunidade científica ainda não sabe se será necessário realizar anualmente a imunização contra o coronavírus.

A secretária geral-adjunta da ONU, Amina Mohammed, concordou, ressaltando a necessidade de buscar a vacina, além de trabalhar para diminuir a transmissão da doença. A quebra de patentes permite que outros países possam produzir vacinas em maior quantidade.

Dino, Weverton e Bradão: união do grupo político para 2022

O grupo político definirá como vai se desenhar a eleição para sucessão ao Governo, em 2022. Quem afirma é o governador Flávio Dino (PCdoB), em conversa com o senador Weverton Rocha (PDT) e o vice-governador, Carlos Brandão (PSDB).

Dino ficou a portas fechadas, em reunião com Brandão e Rocha, os dois primeiros declarados pré-candidatos ao Governo do Maranhão. O governador confirmou que vai coordenar sua sucessão ao Governo e chamou os dois pré-candidatos a mostrarem sua liderança no grupo político.

Tanto Brandão, quanto Weverton acataram as determinações e estão pela união do grupo. Paralelamente, Flávio Dino reafirma, até estes momento, sua pré-candidato ao Senado e reitera que vai seguir disposições do seu grupo político para 2022.

Ministério Público investiga deputado federal Júnior Lourenço

O Ministério Público do Maranhão (MPMA), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) e a Polícia Civil, realizam, neste momento, operação conjunta em São Luís, São José de Ribamar e Miranda do Norte. O objetivo é cumprir  mandados de busca e apreensão em endereços nestas cidades.

São alvos da operação, o deputado federal, Júnior Lourenço (PL), ex-gestores do município de Miranda do Norte e empresários.

A operação integra Procedimento Investigatório Criminal, instaurado pelo Gaeco, que apura crimes de fraude em licitações, corrupção, peculato e organização criminosa.

Flávio Dino mostra força ao conseguir condições para compra da Sputinik

O Supremo Tribunal Federal (STF) já bateu o martelo e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), tem até final de abril para decidir sobre a importação da vacina Sputinik V.

Liminar concedida pelo STF ao Maranhão para compra das vacinas russas Sputinik mostra que o governador Flávio Dino tem força e se destaca no cenário nacional, quando o assunto é combate ao coronavirus. Um papel que deveria partir do Governo Federal, mas não ocorre.

Caso a Anvisa não tome uma decisão, o Governo do Maranhão fica liberado para adquirir a vacina russa e levar em frente o plano de trabalho contra a Covid-19.

Plano esse por sinal que coloca o Maranhão como o de menos mortes pela doença no país. Fruto das diversas medidas de governo que incluem ampliação de leitos, vacinação e ações sociais pelo trabalho e renda das famílias.

Luciano Leitoa sobre Flávio Dino no PSB: ‘Muito a acrescentar’

Após a manifestação favorável do deputado estadual Bira do Pindaré, sobre a ida do governador Flávio Dino para o Partido Socialista Brasileiro (PSB), o prefeito de Timon, Luciano Leitoa, que é líder do partido no Maranhão, também dá seu aval.

Leitoa afirmou que a filiação de Flávio Dino ao PSB vai trazer ganhos para a legenda. Em entrevista a emissora local, nesta terça-feira (13), o prefeito de Timon destacou o histórico político do governador, o fato de ser um dos únicos a ter passado pelos três poderes – Executivo, Legislativo e Judiciário – e sua experiência e expertise.

Luciano Leitoa ressaltou ainda que, em nível nacional, há também o aval positivo para Flávio Dino. A legenda é coesa em querer o governador no seu quadro de políticos. Agora, basta Flávio Dino avaliar as possibilidades que se desenham para sua candidatura nas próximas eleições.

CPI da Pandemia pode se estender a prefeitos e governadores

Um grupo de senadores quer pedir abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado para apurar, além dos atos do governo federal, a responsabilidade de governadores e prefeitos na crise provocada pela pandemia da Covid-19.

O requerimento que pede a CPI é de autoria do senador Eduardo Girão (Podemos-CE) e alcançou 34 assinaturas, na manhã desta segunda-feira (12). Seriam necessárias apenas 27 para a abertura das investigações. O pedido deve ser protocolado na terça-feira (13).

Eduardo Girão justificou o pedido de instalação da CPI afirmando que o governo federal repassou bilhões de reais aos entes federados e faltou transparência nos contratos firmados pelos gestores públicos.

Na semana passada, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, determinou, em uma decisão liminar (provisória), a instalação de uma CPI no Senado, para investigar ações e omissões do Governo Federal na pandemia. Senadores governistas e o presidente Jair Bolsonaro defenderam que prefeitos e governadores também deveriam ser alvo da comissão.

“Bolsonaro é forte candidato a ser 1º presidente a não se reeleger”, diz Flávio Dino

O governador do Flávio Dino avalia que o presidente Jair Bolsonaro enfrenta o seu pior momento político desde que foi eleito. A combinação de uma atuação criticada durante a pandemia com a dificuldade de lidar com o Congresso levam o comunista a fazer projeções pouco otimistas para o atual presidente.

“Bolsonaro é forte candidato a ser o 1º presidente a não ser reeleito, desde que a reeleição foi permitida no Brasil”, disse, em entrevista ao Poder360. Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) foram todos reeleitos.

A volta do ex-presidente Lula à arena política com a anulação dos seus processos pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), também fizeram arrefecer as suas movimentações para ser candidato à Presidência por uma frente de esquerda.