Flávio Dino oficializa filiação ao PSB

O governador do Maranhão, Flávio Dino, oficializou sua filiação ao Partido Socialista Brasileiro (PSB), em cerimônia, nesta terça-feira (22), em Brasília, o . Em discurso, Dino destacou a união e falou em convergência de todos os partidos a favor da democracia e de um projeto de governo contra a reeleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Minha vinda para o PSB é um encontro com este momento atual em que autenticamente se exige tanto da militância patriótica e socialista do Brasil (…) a nossa tarefa não é pequena, por mais absurdo que seja, o Bolsonaro será candidato a reeleição. Por sobre uma pilha de tragédias, nada de positivo a apresentar e obras não há. Derrotá-lo não é tarefa de poucos, não é tarefa de muitos, é de todos”, afirmou.

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, afirmou que a vinda de Flávio Dino para o partido significa um reforço em defesa da luta da democracia. “Um reforço extraordinário nessa luta democrática que empreendemos junto aos partidos de oposição, de esquerda, e com todos os partidos democráticos do nosso país. Vocês, com a dimensão que tem, com a importância que tem e o que representam na política brasileira, estão dando valor também, ao ingressar ao Partido Socialista Brasileiro, a uma luta que já vem de muito tempo”, disse.

O governador do Maranhão é cotado para disputar o Senado nas Eleições 2022. No entanto, ainda é especulado possibilidade de ele compor, como vice, na chapa do ex-presidente Lula (PT), que disputará a Presidência da República em 2022.

PCdoB

Flávio Dino segue para o PSB após uma trajetória política de 15 anos no Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Em comunicado, agradeceu os anos de ‘militância’ e falou em gratidão fraterna pela convivência.

“Agradeço ao PCdoB a acolhida fraterna nesses 15 anos de militância. Diferenças que hoje temos, de estratégia e tática políticas, são menos importantes do que o meu reconhecimento ao papel histórico do partido na defesa de um novo projeto nacional de desenvolvimento para o Brasil”, disse Dino.

De 1987 a 1994, Flávio Dino foi filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). Em 2006, se filiou ao PCdoB e em 2014, foi eleito governador do Maranhão, sendo o primeiro filiado do PCdoB a governar um Estado.

Flávio Dino no PSB

O governador do Maranhão, Flávio Dino, anunciou nesta sexta-feira (18), por meio de uma rede social, que encaminhou o pedido de filiação ao Partido Socialista Brasileiro (PSB). Segundo Dino, a filiação será realizada na terça-feira (11), junto com o deputado federal Marcelo Freixo (RJ).

“Hoje encaminharei meu pedido de filiação ao PSB, por intermédio do presidente @csiqueirapsb. Já comuniquei aos colegas governadores @PauloCamara40 e @Casagrande_ES. Filiação será na terça, 11h, junto com o amigo e líder @MarceloFreixo”, disse.

O anúncio foi feito um dia após ele pedir a desfiliação do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), partido no qual passou 15 anos da sua vida política. Com a ida para o partido, Flávio Dino se junta aos outros dois governadores do país que são do PSB. São eles Paulo Câmara, de Pernambuco, e Renato Casagrande, do Espírito Santo.

As conversas entre Flávio Dino e o Partido Socialista se iniciaram ainda no ano passado. Desde do início de maio, que Dino vinha conversando com aliados para levá-los para a legenda.

O governador do Maranhão é cotado para disputar o Senado nas Eleições 2022, no entanto, ainda é especulada a possibilidade de ele compor, como vice, na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que disputará a Presidência da República em 2022.

Weverton ou Brandão: Flávio Dino fala em ‘decidir’ sobre nome para disputar o Governo do Maranhão em 2022

O governador maranhense Flávio Dino (PC do B), falou sobre o futuro nome para ocupar a vaga ao Governo Estadual, nas eleições de 2022. O assunto foi discutido em entrevista ao programa ‘Agora’, da Rede Meio Norte. Na ocasião, Dino pontuou as articulações em torno de quem irá substituí-lo no governo do Maranhão, citou conversas com partidos e afirmou que o nome sairá de decisão conjunta com seu grupo político.

Quando perguntado sobre o candidato ser o senador Weverton Rocha ou o vice-governador, Carlos Brandão, o governador Flávio Dino disse que conversas estão em andamento. “Estamos conversando com os partidos, de modo bem prudente e cauteloso, uma vez que ainda há um largo período até a eleição, no final ano que vem. Estamos numa fase muito embrionária. Não há ainda esse agendamento na sociedade, tendo em vista as urgências que estão postas no dia a dia, referindo aos aspectos sanitários e socioeconômicos. Razões pelas quais, deixarei esse tema mais para frente”, enfatizou.

Flávio Dino citou que em novembro ou dezembro deste ano deve ser concluído o período de consultas. “Até lá, teremos um cenário mais claro sobre as eleições de 2022”, avaliou. Na agenda, dia 31 de maio, o governador vai reunir com os partidos que integram o governo. “A partir deste encontro, vamos estabelecer um cronograma que deve nos levar a uma definição de um nome, até dezembro. Aí sim, teremos um contorno definitivo de como nosso grupo vai disputar as eleições no Maranhão”, disse.

Flávio Dino afirmou ainda que a decisão pelo nome será uma escolha conjunta com seu grupo político. “Tenho conduzido as coisas assim, sempre de modo participativo. Pela honra que tenho que governar o Maranhão, me cabe a coordenação do processo e a palavra final, mas nunca de modo pessoal, e sim, mediante a oitiva de segmentos políticos e sociais. Sobretudo, por termos o compromisso muito grande de garantir a continuidade desse processo de mudanças que o Maranhão vem atravessando”, explicou Flávio Dino.

Sobre a saída do seu atual partido, PCdoB, e uma filiação ao PSB, Dino pontuou o debate interno que ocorre no seu partido, a legislação eleitoral que impõe obstáculos e barreiras como a proibição de coligações proporcionais. “Temos um cenário institucional novo no Brasil, com a redução do número de partidos, que deve diminuir ainda mais no próximo ano”, pontuou.

Dino acrescentou informando sobre reunião da direção nacional do PCdoB. “Nesta ocasião, opinarei sobre o que acredito ser o melhor caminho e após esse debate partidário, poderei ou não fazer algum tipo de migração. Não antes de esgotar esse debate, uma vez que tenho uma relação de muita confiança e fraternidade com o PCdoB. Mas, com tempo, calma, não há agonia, uma vez que as eleições serão somente em 2022”, concluiu. A reunião será virtual, neste fim de semana.

PSB oferece comando do partido no Maranhão a José Reinaldo Tavares

O deputado federal José Reinaldo recebeu autorização da cúpula do PSB para deixar o partido. Até o último momento, o presidente da legenda, Carlos Siqueira, tentou demovê-lo da decisão de sair.

Foi oferecido o comando da legenda no Maranhão (hoje liderada pelo prefeito de Timon, Luciano Leitoa), mas Tavares rejeitou, pois já estava apalavrado com o DEM.

O ex-governador deverá se filiar ao partido de Rodrigo Maia ainda no começo de dezembro e deve sair candidato ao Senado pela legenda.

Outros deputados revoltados com os rumos do PSB não deverão ter a mesma facilidade para dar adeus à sigla.