Camboa: Pedras que alimentam em São José de Ribamar

A pesca é umas das principais atividades que movimentam a economia da cidade de São José de Ribamar. O município é cercado por portos, e o aglomerado de embarcações garantem o pescado que sustenta muita gente na Cidade Balneária.

Existem várias formas de pescar. Entre elas, a pesca por meio de camboas ou currais, que são armadilhas fixas formadas por pedras ou estacas. Elas ficam submersas quando a maré enche, os peixes sobem junto com a maré e quando ela vaza, os cardumes ficam presos.

Esse tipo de pesca artesanal é tradicional em toda a costa brasileira. Em São José de Ribamar, também há relatos dessa forma de capturar peixes. De acordo com o pesquisador e historiador Antônio Miranda, as camboas exitem há séculos. “Em 1618, quando os Frades Franciscanos chegaram para catequizar os índios, eles já encontraram esse tipo de construção”, relatou.

A Ponta Verde era habitada pelos Índios Gamelas, que viviam da pesca e do cultivo de frutas, segundo Miranda. Apesar de parecer uma obra da natureza, as camboas foram feitas pelos indígenas. “Elas eram uma rica fonte de alimento, porque os índios conseguiam pegar uma enorme quantidade de peixe”, frisou.

Além da Ponta Verde, as camboas são encontradas nas praias de Panaquatira, Caúra e Barbosa. Antônio relata que as armadilhas precisavam passar por manutenção constantemente. “Com o vai e vem das marés, as pedras enterravam na areia, o que reduzia o tamanho do curral. Por essa razão, os índios empilhavam mais pedras. Algumas camboas eram maiores que um homem,” conta o pesquisador.

No século 20, com o crescimento populacional, algumas pessoas começaram a retirar as pedras dos currais para fazer alicerces das casas. Ainda hoje os currais podem ser vistos na Ponta Verde, Caúra e Panaquatira. Na Praia do Barbosa, apenas uma marcação de pedra indica o local que era uma fonte rica de peixes. Esse tipo de pesca continua na cidade.

 

 

Praia de Banho em Ribamar: reduto de turismo e lazer

Contato com a natureza, sensação de liberdade, brisa do mar batendo no rosto e uma paisagem magnífica, que muda a cada minuto pelo vai e vem das marés. Essas são algumas características que descrevem a Praia de Banho, em São José de Ribamar.

Além da forte religiosidade, a cidade tem infinitas belezas naturais. A praia está localizada no Centro da Cidade Balneária e pode ser acessada pela escadaria da Praça João Lammer ou pela Avenida Beira-Mar. Com uma visão paradisíaca, a praia conta com bares, restaurantes e pousadas, que possibilitam um ambiente familiar e confortável.

A Praia de Banho é um belo lugar para visitar e levar a família. O contato com a natureza e a variação da maré transformam em único o momento de quem a visita. Se você ainda não conhece essa praia, não perca tempo e viva uma experiência única.

A praia já era utilizada desde 1800. Na década de 1950 houve uma revolução religiosa por causa das imagens de São José. Durante esse período, oito poços foram descobertos na praia e ficavam visíveis apenas quando a maré estava seca. Serviam para moradores e turistas pegarem água. Hoje, há apenas um poço marcado com uma manilha ao lado do trampolim da praia.

Em 1970, houve uma necessidade de melhorar o acesso ao local e uma escadaria foi feita por trás da Gruta, mas se deteriorou com o passar dos dias. No fim do anos 80 e início dos anos 90, o quebra-mar foi construído. Também nesse período, o acesso à praia melhorou, transformando a praia no que ela é nos dias atuais.

Blitz do turismo orienta visitantes do Festejo de São José de Ribamar

O fim de semana foi marcado pelo acolhimento aos turistas com a Blitz do Turismo, montada ao lado da Igreja Matriz. O projeto é para quem tem frequentado São José de Ribamar, principalmente devido ao Festejo de São José, que ocorre até 26 de setembro.

Essa é uma iniciativa da prefeitura de São José de Ribamar, por meio da Secretaria de Turismo, Cultura, Esporte e Lazer (Semtur), com agentes levando informações e orientações aos visitantes do município.

Entre os mais variados segmentos turísticos que estão sendo desenvolvidos na cidade, a Semtur destaca: o Turismo Náutico; Turismo de Aventuras (passeio de Buggy); turismo Gastronômico (culinária típica); Turismo Cultural (exposições, histórias e lendas); Turismo de Sol e Praia; e o tradicional Turismo Religioso.

Um dos objetivos do planejamento do turismo na cidade é desenvolver o empreendedorismo, motivar o trade turístico, investir mais em estabelecimentos hoteleiros, agências de turismo, embarcações, restaurantes, traslados, guia de turismo, entre outros.

“O turismo é imprescindível para nossa cidade que é rica em cultura, religiosidade, natureza exuberante, e que casam justamente com o turismo religioso, os quais juntos formam um importantíssimo vetor de emprego e renda para nossa população, bem como apresentam ao mundo a belíssima cidade de São José de Ribamar”, finalizou o secretário da Semtur, Urubatan Neto.

As ações seguem durante os fins de semana e se estenderá até o encerramento do festejo, cumprindo os protocolos sanitários de proteção à Covid-19.

Aeroporto de Barreirinhas deve entrar em atividade em 2022

O Aeroporto de Barreirinhas, principal cidade dos Lençóis Maranhenses, deve começar a receber voos nacionais a partir de 2022.

O terminal dispõe de espaço para embarque, desembarque, banheiros no primeiro e segundo pavimentos, incluindo instalações próprias para pessoas com deficiência física, saguão, área de exposição, lojas e um anexo para área administrativa.

O local tem capacidade de pouso e decolagem para aeronaves do modelo A319 com até 120 passageiros. Já o terminal terá capacidade para atender 300 pessoas por dia.

 

Secretários de Turismo da Região Metropolitana discutem roteirização do setor

De forma presencial e seguindo todos os protocolos sanitários, secretários de cinco municípios que fazem parte da Região Metropolitana reuniram-se para discutir a Roteirização do Turismo na Região Metropolitana de São Luís. A reunião marcou o IV Encontro de Instância de Governança. O objetivo foi debater a modernização do turismo e de que forma a gestão de São José de Ribamar tem progredido para expandir o turismo no município, mesmo com a pandemia.

“É uma satisfação receber esse encontro com a presença de secretários de turismo da região. Isso demonstra a força integrativa da administração do prefeito, e a nossa gestão é participativa, dinâmica e que promove a unidade entre os municípios. Esse é o nosso foco e o nosso progresso”, destacou o secretário de Turismo e Cultura de São José de Ribamar, Urubatan Neto.

Participaram do encontro, os secretário de Turismo Saulo Ribeiro (São Luís), Diego Ricci (Paço do Lumiar) e Alysson Penha (Raposa), a adjunta de Turismo de São José de Ribamar, Polyana Paixão e o assessor da secretaria de Turismo de Alcântara, Bruno Ferrer.

Mais da metade dos turistas de São Luís são do sul e sudeste

São Luís registrou uma mudança no perfil de turista que recebe. No mês de junho, foi observado que 58% dos turistas vieram das regiões Sul e Sudeste, seguido de 25% vindos da região Nordeste – que regularmente envia a maior quantidade de turistas para São Luís.

Essa informação é baseada na série histórica de pesquisas do Observatório de Turismo da Cidade, vinculado ao grupo de pesquisa “Turismo, Cidades e Patrimônio”, da Universidade Federal do Maranhão (Ufma), em parceria com a Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Turismo (Setur). As pesquisas de demanda turística são realizadas desde 2017.

De acordo com os dados, o gasto médio diário informado pelos entrevistados foi de acima de R$ 200 durante a estadia em São Luís. 75% dos entrevistados ficaram em meios de hospedagem, 15% em casa de parentes e 11% em apartamentos e casas alugadas. É do Estado de São Paulo a maioria dos turistas que visitaram São Luís.

Em relação à permanência na Ilha, a maior parte informou que ficaria entre um e cinco dias (55%). Outro dado importante da pesquisa é que 93% dos turistas avaliaram como boa ou excelente a experiência em São Luís. Além disso, os locais mais visitados foram Centro Histórico (26%), seguido de bares e restaurantes (18%) e praias (16%).

Além disso, o fluxo de passageiros (embarque e desembarque) em junho de 2021 no aeroporto de São Luís apresentou um crescimento de 425,81% no comparativo de 2020. Isto representa uma retomada dos voos para o destino, assim como do turismo, de forma gradativa.

O destino São Luís conquistou o selo de Viagem Segura (Safe Travels) após apresentar ao Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) um documento com uma série de protocolos que estão sendo adotados na administração pública municipal. A partir disso, a Setur incentivou estabelecimentos do turismo como agências, bares e restaurantes a aderirem também.

Tambor de Crioula do Maranhão: patrimônio revalidado

O Tambor de Crioula do Maranhão continuará sendo considerado Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro pelos próximos 10 anos. A revalidação foi confirmada pelo Instituto Patrimônio Artístico Nacional (Iphan).

A cada 10 anos, o Iphan deve fazer a revalidação do título. O procedimento segue decreto nº 3.551, de 4 de agosto de 2000, marco legal que instituiu o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial, que constituem o patrimônio cultural brasileiro.

Em 2007, a manifestação de matriz afro-brasileira foi registrada pelo Iphan no Livro das Formas de Expressão do Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. A aprovação da revalidação foi expedida pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural do Iphan, formado por personalidades nacionais da cultura.

Durante o processo, foi elaborado um dossiê que aponta avanços no processo de salvaguarda da cultura do Tambor de Crioula no Maranhão. Além de oficinas e registros audiovisuais, figura entre as ações de salvaguarda a criação da Casa do Tambor de Crioula, centro de referência da manifestação.

Centro Histórico de São Luís repaginado com medidas infraestruturais

O Centro Histórico de São Luís possui um conjunto arquitetônico com aproximadamente quatro mil imóveis, dos séculos XVII, XVIII e XIX. Cenário que fascina maranhenses e turistas pela memória viva que está impressa nos antigos casarões e sobrados.

Para preservar esse acervo, o Governo do Maranhão realiza obras de reforma e revitalização dos imóveis na região secular. Destaque para o programa Nosso Centro, que garante desenvolvimento sustentável, conservação, movimentação econômica e valorização da história da capital.

Na lista, a revitalização do Edifício João Goulart, do prédio da Reffsa, construção da Praça dos Poetas, entrega do novo prédio da Jucema, do Museu de Artes Visuais e Museu Cafua das Mercês. Projetos como o Cores da Cidade estão propiciando nova pintura e melhoramento da fachada de 31 imóveis,

O projeto Aluguel no Centro concede o pagamento de 80% do aluguel de moradias históricas, que estejam em condições de habitação na região do Centro Histórico de São Luís. Inscrições de interessados podem ser realizadas no site aluguelnocentro.ma.gov.br.

NOVIDADES

Outras obras estão em curso. O IEMA Gastronomia e o Shopping Rua Grande estão com obras aceleradas. A primeira unidade do Instituto de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) voltado para a Gastronomia está sendo implantado no Centro Histórico. A nova unidade IEMA funcionará como restaurante escola: os alunos terão aulas práticas e serão produzidas refeições no restaurante que funcionará no andar térreo do prédio.

Em julho, o Shopping Rua Grande vai oferecer conforto e a segurança de um shopping convencional, ao mesmo tempo em que terá um andar especial dedicado para a difusão da cultura maranhense. A obra está sendo arquitetada por uma equipe de profissionais qualificados e por meio de incentivo do Programa Adote um Casarão, do Governo do Maranhão.

O programa Adote o Casarão disponibiliza, por meio de editais, imóveis pertencentes ao Governo do Maranhão, no Centro Histórico de São Luís, que estejam sendo subutilizados ou estejam vazios. O adotante, em contrapartida, deve revitalizar e manter o imóvel e fazer uso exclusivo para as atividades indicadas no contrato.

São José de Ribamar terá novos roteiros turísticos

A prefeitura de São José de Ribamar, por meio da Secretaria de Turismo, Cultura, Esporte e Lazer (Semtur), reuniu-se com empresários do segmento do turismo, para tratar de melhorias e ações emergenciais em roteiros que a cidade oferece. No encontro, foram discutidas as potencialidades não exploradas do município e iniciativas para oficialização de novos roteiros turísticos.

Projeto elaborado na reunião vai tornar oficiais novos roteiros turísticos, como as trilhas ambientais de mountain bike e passeios de buggy. O projeto contempla ainda, realização de obras infraestruturais para melhorar acesso às pousadas e praias. Participaram da reunião empresários do Turismo Náutico e Aventura, esportistas do grupo Ciclo Bike Team de Mountain Bike e proprietários de veículos buggy e catamarãs.

“Temos grande potencial turístico a ser mostrado em nosso município, porém, só precisamos planejar e organizar essas áreas de acesso ao visitante. São pequenos detalhes como esse que fazem a diferença“, explicou a secretária adjunta da Semtur, Poliana Paixão, que coordenou o encontro.

Proprietário de pousada na cidade, o empresário Luiz Pedro Maciel destacou como muito positivo esse encontro e a iniciativa de aproximação da Semtur e representantes do segmento. “Eu vejo com muita satisfação e esperança essa reunião, principalmente, nesse momento delicado em que estamos passando “, disse o empresário.

Passeio com música, história e poesia em São Luís

O Passeio Serenata movimentou mais uma noite do Centro Histórico com personagens ilustres nesta quarta-feira (20). Um tour pelo Centro Histórico de São Luís repleto de histórias contadas pelos próprios protagonistas. Esta é o Passeio Serenata, um evento que integra o programa Reviva, da Prefeitura de São Luís por meio da Secretaria Municipal de Turismo.

Praça Nauro Machado faz parte do roteiro do Sarau

O passeio chama atenção de turistas e moradores da cidade… e não deixa de ser um incentivo ao turismo da capital porque conta a história de Dai Luis através de personagens da cultura ludovicense como Ana Jansen, Bandeira Tribuzi e Maria Aragão.

A história toda funciona assim… acompanhados de um guia de turismo e de músicos, os “turistas” andam pelo centro histórico em um city tour diferente, porque conhecem detalhes das ruas do Centro de São Luís e dos prédios centenários não só descrevidos pelo guia, mas em casarões e pontos importantes são encontrados artistas vestidos de personagens conhecidos da velha capital maranhense e que também contam os acontecimentos da época.

O objetivo é criar e renovar memórias sobre o passado da capital maranhense. Segundo a titular da Setur, Socorro Araújo, esse é excelente método de aprendizado por repassar conhecimento de forma descontraída e atrativa. “O prefeito Edivaldo orientou que a política de turismo para capital maranhense deixasse os moradores da cidade cientes da sua própria história. O programa Reviva tem esse apelo. Os turistas e moradores da cidade que participam, levam consigo um pedacinho de quem nós somos”, acrescenta.