Dino lidera para o Senado e Roseana para o Governo, diz pesquisa Escutec

O governador Flávio Dino é líder absoluto para a disputa no Senado e para o Governo do Maranhão, Weverton Rocha e Roseana Sarney se destacam. É o que diz a pesquisa do instituto Escutec, divulgada neste sábado (2), sobre as intenções de voto para as eleições 2022. A pesquisa mostra ainda as intenções de voto para a Presidência, em que Lula lidera e Bolsonaro perde. A Escutec ouviu 1.400 eleitores, de 23 a 30 de setembro e com margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) lidera para o Governo do Maranhão, seguida do senador Weverton Rocha (PDT) e após, o ex-prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PSD). O vice-governador Carlos Brandão (PSDB) vem em seguida. Na lista de nove nomes apresentados, os melhores colocados são Roseana Sarney (26%), Weverton Rocha (20%), Edivaldo Júnior (12%) e Carlos Brandão (10%.)

Outros índices apontam Roberto Rocha (9%); o prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim (5%); o secretário de Indústria do Estado, Simplício Araújo (4%,); o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (3%); e o secretário de Educação, Felipe Camarão (2%).

Sem o nome de Roseana, Weverton Rocha lidera com 24%, seguido por Edivaldo Júnior (17%), Roberto Rocha (14%), Brandão (11%), Lahesio (8%), Maranhãozinho e Simplício empatam com 5% e Felipe Camarão aparece com 3%. Nenhum dos candidatos foi a opção de 8% dos eleitores e não sabe ou não respondeu somaram 5%.

Senado

Na disputa ao Senado com Flávio Dino, ele lidera com 44%. Seguem Roberto Rocha (23%) e Josimar de Maranhãozinho (7%). Sem o governador no certame, disputam Roberto Rocha (42%), Othelino Neto (9%) e Josimar de Maranhãozinho (11%). A opção Nenhum dos candidatos, somou 20% e não sabe ou não respondeu, 18%.

Flávio Dino vence adversários em todos os cenários da disputa para 2022, aponta pesquisa Exata

Governo do Estado ou senado. O governador Flávio Dino venceria as disputas para as eleições 2022, se concorresse em qualquer um dos cargos – apesar de não poder concorrer ao Governo, por estar em seu segundo mandato. Ele lideraria contra Roseana Sarney, Weverton e Roberto Rocha. É o que afirma a pesquisa Exata, divulgada nesta sexta-feira (1º). A pesquisa questionou eleitores maranhenses sobre nomes ao Governo do Maranhão, Senado e também, a Presidência da República. Neste último, Lula lidera as preferências e Bolsonaro é o campeão em rejeição.

Foram 1432 entrevistados, por meio de  abordagem e domicílios sorteados, nas regiões Norte, Sul, Leste, Oeste, Central e Grande São Luís, na pesquisa realizada de 24 a 28 de setembro. A margem de erro foi de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Na escolha do nome para presidência, sendo hoje a eleição. Lula sai na frente com expressivos 62%, seguido de Jair Bolsonaro (17%), Ciro Gomes (6%), Sérgio Moro (2%) e João Doria (1%). Brancos e nulos somaram 8% e os que não sabiam ou não responderam, 4%.

Jair Bolsonaro lidera na lista dos que não seriam escolhidos ‘de jeito nenhum’, com largos 65%. João Doria e Sérgio Moro empataram com o segundo maior índice de rejeição – 25% -, seguidos por Lula (21%) e Ciro Gomes (19%).  O total de 1% dos entrevistados disse que votaria em todos os nomes e 7%, não votaria em nenhum; não sabiam ou não responderam, 2%.

Governo

Para o Governo do Maranhão, sem Flávio Dino, a ex-governadora Roseana Sarney venceria, segundo a pesquisa. Roseana teria 27% das intenções de voto, seguida por Weverton Rocha (21%), Edivaldo Holanda Jr. (9%), Roberto Rocha (8%), Dr. Lahésio (7%), Carlos Brandão (6%), Josimar do Maranhãozinho (5%) e Simplício Araújo (1%). Brancos/nulos/nenhum e que não souberam ou não responderam, 8%.

No cenário sem Flávio Dino e sem Roseana Sarney, quem sairia na frente seria Weverton Rocha, com 32% dos votos. Seguindo, estariam Edivaldo Holanda Jr. (13%), Dr. Lahésio (12%), Carlos Brandão (11%) e Josimar do Maranhãozinho (8%). Nenhum/Branco/Nulo ficaram em 13% e que não sabiam ou não responderam, 11%.

Considerando quadros mais enxutos, Weverton Rocha sairia na frente – 39% –  em uma disputa com Edvaldo Holanda Jr. (17%) e Carlos Brandão (15%), tendo Nenhum/Branco/Nulo com 16% e não sabem ou não responderam, 13%. Num cenário apenas com Carlos Brandão, Weverton também vence com largos 48%, frente à 19% do seu adversário. Nenhum/Branco/Nulo somariam 20%; e que não sabem ou não responderam, 13%.

No quesito rejeição, a pesquisa perguntou aos entrevistados em quem não votariam de jeito nenhum. Roseana Sarney sai na frente, na rejeição do eleitorado, com 42%. Seguem a emedebista, Josimar do Maranhãozinho (30%), Carlos Brandão (21%), Simplício Araújo (16%), Roberto Rocha (15%), Weverton Rocha (14%), Edivaldo Holanda Jr. (14%) e Dr. Lahésio (13%). Um total de 22% dos entrevistados afirmou que votaria em todos; 21% não votaria em nenhum; e 4% não sabiam ou não responderam.

Senado

A pesquisa aponta Flávio Dino na frente para a disputa ao Senado, com 40%. Em segundo lugar, Roseana Sarney com 22%, seguida por Roberto Rocha (12%), Edivaldo Holanda Júnior (6%), Josimar do Maranhãozinho (6%) e Othelino Neto (3%). Nenhum/Branco/Nulo somaram 5% e que não sabiam ou não responderam, 6%.

Flávio Dino ganharia em cenários mais enxutos. Disputando com Roseana, ele teria 49% contra 31% da emedebista. Nenhum/Branco/Nulo somariam 15% e que não souberam ou não responderam, 5%. Em uma disputa com Roberto Rocha, Flávio Dino ganharia com índice 55% contra 28% do adversário. Nesse cenário, Nenhum/Branco/Nulo somariam 12% e que não souberam ou não responderam, 5%.

No quesito rejeição, os entrevistados, perguntados sobre em quem não votariam de jeito nenhum, Roseana Sarney sai mais uma vez na frente, com 40%. Seguida por Josimar do Maranhãozinho (29%), Flávio Dino (26%), Othelino Neto (19%), Roberto Rocha (18%) e Edivaldo Holanda Júnior (15%). Um total de 5% afirmou que votaria em todos os candidatos e 6% não votaria em nenhum. Que não sabiam ou não responderam, totalizaram 4% das intenções de voto.

A pesquisa finaliza avaliando a administração do governador Flávio Dino. A maior parte dos entrevistados considerou a gestão regular (37%). Um total de 32% dos pesquisados considerou boa; 13% péssima; 9% ótima; e 8% ruim. Não sabiam ou não responderam somaram 1%. No entanto, o governo Flávio Dino é aprovado pela maioria dos entrevistados – 65%. Não aprovam somou 33% e que não sabiam ou não responderam, 2%.

Projeto de Lei reduz candidaturas para o legislativo

Aprovado pelo Senado o Projeto de Lei 1.086/2021, que reduz o limite máximo de candidaturas que podem ser registradas por partido, na disputa pelos legislativos municipal, estadual e federal. O texto foi aprovado com emendas aceitas pelo relator, senador Antonio Anastasia (PSD-MG), e agora vai à análise da Câmara dos Deputados.

O projeto altera a Lei Eleitoral para limitar o registro total de candidaturas de cada partido para os mandatos proporcionais em todas as esferas eleitorais até o dobro (100%) dos lugares a preencher.

Atualmente, de acordo com a legislação eleitoral, a quantidade de candidatos que podem ser registrados para disputar vaga nos legislativos é estipulada com base no número de lugares a serem preenchidos.

Medicamentos não terão aumento nos preços, este ano

O Senado aprovou projeto de lei que suspende o aumento de preço dos medicamentos, em 2021. O texto também determina a reversão de reajustes já aplicados em medicamentos este ano, inclusive prevendo a devolução de pagamentos já realizados. A aprovação foi por 58 votos a favor e seis contra. O projeto segue para a Câmara dos Deputados.

Os medicamentos disponíveis no Brasil têm seus preços controlados pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed). Uma vez por ano, a Cmed fixa o teto de preços permitidos para a venda de medicamentos, mas esse controle não alcança todos os remédios. Determinadas classes terapêuticas de medicamentos isentos de prescrição, por exemplo, ficam de fora.

O projeto não congela preços, apenas impede o reajuste do teto pela Cmed. Para o autor, deputado Lasier Martins, o projeto é uma forma de diminuir a pressão sobre o orçamento das famílias que estão enfrentando o coronavírus e, também, daquelas com doentes que demandam uso contínuo de medicamentos.

 

Senadores maranhenses aprovam intervenção no Rio e Roberto Rocha falta sessão

Os senadores aprovaram o decreto, que já está em vigor desde a semana passada, que trata sobre a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro. Foram 55 votos favoráveis, 13 contra e 1 abstenção.

Os partidos aliados do governo Michel Temer deram 79% dos votos a favor do decreto, mas tiveram ausências importantes. 8 Senadores faltaram à votação, entre eles o parlamentar maranhense Roberto Rocha (PSDB). Os outros senadores da bancada maranhense, João Alberto (PMDB) e Pastor Bel (PRTB), votaram favoráveis à intervenção.

O decreto vai ser publicado no “Diário Oficial da União”. A intervenção federal foi assinada pelo presidente Michel Temer na última sexta-feira (16). A medida passou a vigorar imediatamente, mas, para continuar valendo, precisava do aval da Câmara e do Senado.

O decreto estabelece que a intervenção durará até 31 de dezembro deste ano.

Enquanto vigorar a medida, o general de Exército Walter Souza Braga Netto, do Comando Militar do Leste, será o interventor no estado e terá o comando da Secretaria de Segurança Pública, Polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros e do sistema carcerário fluminense.

Atualização: O senador Robeto Rocha ausentou-se da votação de intervenção para tratar de assuntos de interesse particular. Rocha teve que ir às pressas para São Paulo ontem (20) à tarde, pois filho Paulo Roberto foi diagnosticado com uma grave enfermidade e está internado para novos exames. O parlamentar só deve retornar à Brasília na próxima semana.

João Alberto arquiva petição contrária à Aécio Neves

O presidente do Conselho de Ética do Senado, o senador João Alberto (PMDB-MA), decidiu pelo arquivamento da petição em desfavor do senador Aécio Neves (PSDB – MG). João Alberto recebeu o parecer da Advocacia Geral que recomendou o arquivamento da Petição nº 05/2017.

O senador maranhense decidiu arquivar a petição, baseado na recomendação do parecer, e destacou que todos os prazos foram cumpridos, e a decisão da presidência foi tomada no primeiro dia, dos cinco dias regimentais, a partir da chegada do parecer da Advocacia.

A petição em desfavor do senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi protocolada no dia 28 de setembro e pediu “a abertura de Procedimento Disciplina para verificação de quebra de decoro parlamentar em face do Senador Aécio Neves da Cunha”.
Cabe recurso da decisão do presidente ao Plenário do Conselho de Ética que deverá ser assinado por, pelo menos, 5 membros.

Senado aprova urgência para lei que pode barrar Uber no país

O Senado aprovou nesta terça-feira (24) um requerimento de urgência para votar analisar o projeto de lei que regulamenta aplicativos de transporte individual pagos, como o Uber e o Cabify. Com a aprovação da urgência, o projeto ganha prioridade na pauta de votações da Casa.

De acordo com o regimento interno do Senado, após a aprovação da urgência, é preciso que o prazo de duas sessões seja respeitado.Com isso, a votação do texto deve ser realizada na próxima terça (31).

A proposta, aprovado em abril pela Câmara dos Deputados, determina que o serviço de transporte por meio de aplicativos deverá respeitar uma série de exigências.

Entre elas estão vistorias periódicas nos veículos de transporte privado, idade mínima para os condutores e “ficha limpa” dos motoristas. Além disso, os carros deverão ter placa vermelhas e rodar com base em licença específica.

Os 3 Senadores maranhenses ajudaram a devolver mandato a Aércio Neves

Os Senadores da bancada maranhense foram unânimes na votação de ontem para manter o afastamento ou devolver o mandato de Aécio Neves (PSDB-MG). Edison Lobão (PMDB), João Alberto (PMDB) e Roberto Rocha (PSDB) votaram a favor de Aécio e ajudaram a encorpar a lista dos 44 contra os 26 que devolveram o mandato ao senador peesedebista.Eram necessários 41 votos para que ele voltasse ao exercício do mandato. Caso não houvesse este número de votos, a votação seria repetida. O nome do Senador já voltou à lista dos parlamentares em exercício, no site da Casa. Esta foi é a segunda vez que o Senador foi afastado este ano, uma em maio e outra agora em setembro.

Aécio Neves já está na lista dos senadores em exercício da casa parlamentar

SENADORES QUE VOTARAM PARA DEVOLVER MANDATO A AÉCIO NEVES

Airton Sandoval (PMDB-SP)

Antonio Anastasia (PSDB-MG)

Ataídes Oliveira (PSDB-TO)

Benedito de Lira (PP-AL)

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)

Cidinho Santos (PR-MT)

Ciro Nogueira (PP-PI)

Dalirio Beber (PSDB-SC)

Dário Berger (PMDB-SC)

Davi Alcolumbre (DEM-AP)

Edison Lobão (PMDB-MA)

Eduardo Amorim (PSDB-SE)

Eduardo Braga (PMDB-AM)

Eduardo Lopes (PRB-RJ)

Elmano Férrer (PMDB-PI)

Fernando Coelho (PMDB-PE)

Fernando Collor (PTC-AL)

Flexa Ribeiro (PSDB-PA)

Garibaldi Alves (PMDB-RN)

Hélio José (PROS-DF)

Ivo Cassol (PP-RO)

Jader Barbalho (PMDB-PA)

João Alberto Souza (PMDB-MA)

José Agripino (DEM-RN)

José Maranhão (PMDB-PB)

José Serra (PSDB-SP)

Maria do Carmo Alves (DEM-SE)

Marta Suplicy (PMDB-SP)

Omaz Aziz (PSD-AM)

Paulo Bauer (PSDB-SC)

Pedro Chaves (PSC-MS)

Raimundo Lira (PMDB-PB)

Renan Calheiros (PMDB-AL)

Roberto Rocha (PSDB-MA)

Romero Jucá (PMDB-RR)

Simone Tebet (PMDB-MS)

Tasso Jereissatti (PSDB-CE)

Telmário Mota (PTB-RR)

Valdir Raupp (PMDB-RO)

Vicentinho Alves (PR-TO)

Waldemir Moka (PMDB-MS)

Wellington Fagundes (PR-MT)

Wilder Morais (PP-GO)

Zezé Perrella (PMDB-MG)

 

SENADORES QUE VOTARAM PARA MANTER O AFASTAMENTO DE AÉCIO NEVES

Acir Gurgacz (PDT-RO)Alvaro Dias (PODE-PR)

Ana Amélia (PP-RS)

Ângela Portela (PDT-RR)

Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)

Fátima Bezerra (PT-RN)

Humberto Costa (PT-PE)

João Capiberibe (PSB-AP)

José Medeiros (PODE-MT)

José Pimentel (PT-CE)

Kátia Abreu (PMDB-TO)

Lasier Martins (PSD-RS)

Lídice da Mata (PSB-BA)

Lindbergh Farias (PT-RJ)

Lúcia Vânia (PSB-GO)

Magno Malta (PR-ES)

Otto Alencar (PSD-BA)

Paulo Paim (PT-RS)

Paulo Rocha (PT-PA)

Randolfe Rodrigues (Rede-AP)

Regina Souza (PT-PI)

Reguffe (sem partido-DF)

Roberto Requião (PMDB-PR)

Romário (PODE-RJ)

Ronaldo Caiado (DEM-GO)

Walter Pinheiro (sem partido-BA)

Senadores maranhenses votam em sessão sobre afastamento de Aécio Neves

Senadores maranhenses se posicionaram hoje (17) sobre a decisão no plenário do STF de que a Corte pode impor medidas cautelares contra parlamentares federais. Ainda na decisão a Corte só submeteria ao Senado ou a Câmara aquelas que interfiram “direta ou indiretamente no exercício do mandato”. Senadores votam contra ou a favor da decisão do STF e esta sessão de hoje deve decidir o destino do senador Aécio Neves (PSDB-MG), afastado do mandato.

Discursando contra a decisão do STF, o tucano Roberto Rocha (MA) afirmou que a Constituição não permite as medidas adotadas contra Aécio, e que os senadores precisariam ter “coragem” para seguir a lei e revogar o afastamento do mandato.

“O que está em discussão é o Senado Federal, é a República, é a nossa democracia, é a nossa Constituição”, disse. “Nesse momento não está em discussão o senador Aécio Neves. Está em discussão nossa coragem de fazer valer os votos s que tivemos em nossos Estados”, afirmou Rocha Rocha