Felipe Camarão oficializa pedido para ingressar no PT

O cenário para a disputa das eleições 2022 vai sendo definido e o Felipe Camarão (Ex-DEM) deu um importante passo para se posicionar para a corrida eleitoral.

O secretário de Estado da Educação, que deixou recentemente o DEM, anunciou que vai protocolar pedido de filiação ao PT nesta segunda-feira (07).

É bom ressaltar que esse movimento de Felipe o coloca como nome viável para disputa tanto para composição na chapa como vice-governador, como se precisar encabeçar uma chapa em uma provável disputa pelo governo em 2022, ele seria uma via “apaziguadora” em caso de acirramento entre Carlos Brandão e Weverton Rocha.

O certo é que Camarão tem tido o nome ventilado para disputar uma cadeira no parlamento federal, disputando cargo de deputado federal.

“Hoje, segunda, dia 7/6/21, irei protocolar meu pedido de filiação ao Partido dos Trabalhadores- PT. Pedirei para ingressar na sigla com muito orgulho e determinação em fazer o melhor para meu estado e meu país”, disse o secretário.

Flávio Dino e PSB: filiação à vista

Flávio Dino (PCdoB) pode estar mais próximo do PSB. O governador do Maranhão publicou, na tarde desta quarta-feira (2), em suas redes sociais, registro de uma reunião que teve com o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, na sede do partido, em Brasília.

“Estive hoje na sede nacional do PSB. Boa conversa com o presidente Carlos Siqueira, sobre a conjuntura brasileira e os desafios políticos de 2021″, escreveu o governador, no Twitter.

Flávio Dino deve trocar o PCdoB pelo PSB e a filiação está prevista para o mês de julho e aguardam o estreitamento de propostas de reforma eleitoral na Câmara.

 

Weverton ou Brandão: Flávio Dino fala em ‘decidir’ sobre nome para disputar o Governo do Maranhão em 2022

O governador maranhense Flávio Dino (PC do B), falou sobre o futuro nome para ocupar a vaga ao Governo Estadual, nas eleições de 2022. O assunto foi discutido em entrevista ao programa ‘Agora’, da Rede Meio Norte. Na ocasião, Dino pontuou as articulações em torno de quem irá substituí-lo no governo do Maranhão, citou conversas com partidos e afirmou que o nome sairá de decisão conjunta com seu grupo político.

Quando perguntado sobre o candidato ser o senador Weverton Rocha ou o vice-governador, Carlos Brandão, o governador Flávio Dino disse que conversas estão em andamento. “Estamos conversando com os partidos, de modo bem prudente e cauteloso, uma vez que ainda há um largo período até a eleição, no final ano que vem. Estamos numa fase muito embrionária. Não há ainda esse agendamento na sociedade, tendo em vista as urgências que estão postas no dia a dia, referindo aos aspectos sanitários e socioeconômicos. Razões pelas quais, deixarei esse tema mais para frente”, enfatizou.

Flávio Dino citou que em novembro ou dezembro deste ano deve ser concluído o período de consultas. “Até lá, teremos um cenário mais claro sobre as eleições de 2022”, avaliou. Na agenda, dia 31 de maio, o governador vai reunir com os partidos que integram o governo. “A partir deste encontro, vamos estabelecer um cronograma que deve nos levar a uma definição de um nome, até dezembro. Aí sim, teremos um contorno definitivo de como nosso grupo vai disputar as eleições no Maranhão”, disse.

Flávio Dino afirmou ainda que a decisão pelo nome será uma escolha conjunta com seu grupo político. “Tenho conduzido as coisas assim, sempre de modo participativo. Pela honra que tenho que governar o Maranhão, me cabe a coordenação do processo e a palavra final, mas nunca de modo pessoal, e sim, mediante a oitiva de segmentos políticos e sociais. Sobretudo, por termos o compromisso muito grande de garantir a continuidade desse processo de mudanças que o Maranhão vem atravessando”, explicou Flávio Dino.

Sobre a saída do seu atual partido, PCdoB, e uma filiação ao PSB, Dino pontuou o debate interno que ocorre no seu partido, a legislação eleitoral que impõe obstáculos e barreiras como a proibição de coligações proporcionais. “Temos um cenário institucional novo no Brasil, com a redução do número de partidos, que deve diminuir ainda mais no próximo ano”, pontuou.

Dino acrescentou informando sobre reunião da direção nacional do PCdoB. “Nesta ocasião, opinarei sobre o que acredito ser o melhor caminho e após esse debate partidário, poderei ou não fazer algum tipo de migração. Não antes de esgotar esse debate, uma vez que tenho uma relação de muita confiança e fraternidade com o PCdoB. Mas, com tempo, calma, não há agonia, uma vez que as eleições serão somente em 2022”, concluiu. A reunião será virtual, neste fim de semana.

Lula x Bolsonaro: pesquisa aponta vitória do petista

Pesquisa do instituto Datafolha, divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo, mostra os índices de intenção de voto para o primeiro turno da eleição presidencial de 2022. O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva venceria Jari Bolsonaro na disputa. O levantamento do Datafolha foi realizado entre em 11 e 12 de maio em 146 cidades e entrevistou 2.071 pessoas. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Na pesquisa estimulada de intenções de voto no 1º turno, Lula (PT) aparece com 41% e Jair Bolsonaro (sem partido), com 23%. Constam ainda da pesquisa os nomes de Sérgio Moro (sem partido): 7%; Ciro Gomes (PDT): 6%; Luciano Huck (sem partido): 4%; João Doria (PSDB): 3%; Luiz Henrique Mandetta (DEM): 2%; e João Amoêdo (Novo): 2%. Brancos/nulo/nenhum ficarm em 9%; e pessoas que não souberam responder, 4%.

Somados, os adversários de Lula têm 47%, seis pontos percentuais a mais que o ex-presidente. Na pesquisa espontânea de intenções de voto no 2º turno, em uma disputa entre Lula e Bolsonaro, o petista ficaria com 55% e Bolsonaro, 32%. Neste caso, o petista herdaria os votos dos eleitores de Doria, Ciro e Luciano Huck, enquanto o presidente teria votos dos eleitores de Moro. Lula também venceria contra os demais candidatos. É esperar para ver, nas eleições de 2022…

Edivaldo Holanda Júnior deixa PDT e anuncia ‘novos rumos’ na política

“Agradeço o carinho e apoio que recebi no PDT durante os cinco anos de convivência muito respeitosa. Sigo novos rumos a partir de agora, mas ressalto que permanecem a admiração e amizade”. Com essa mensagem, o ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, anunciou nesta sexta-feira (7), a saída do PDT.

Na mensagem, em sua conta na rede social, Edivaldo Holanda Junior aparece ao lado do senador Weverton Rocha e agradece aos agora, ex-companheiros de partido. “O meu muito obrigado ao presidente estadual, @wevertonsenador com quem me reuni ontem; ao presidente municipal, vereador @raimundopenha, e aos demais membros da direção no estado e capital. De maneira muito especial, agradeço a aguerrida militância pedetista pela caminhada até aqui, lutando sempre em defesa do melhor para a nossa querida São Luís”, disse, em sua mensagem.

O ex-prefeito vem sendo sondado por outros partidos, para que entre na disputa pelo Governo do Estado, nas eleições de 2022. Entre os partidos interessados no nome de Edivaldo Holanda Junior estão o PSD, liderado por Edilázio Júnior; o PTB, de Mical Damasceno; e o Republicanos, de Cléber Verde.

Edivaldo Holanda Júnior já foi filiado ao PSDB, onde presidiu a juventude entre 2002 e 2004. No mesmo ano filiou-se ao PTC, onde se elegeu vereador de São Luís em 2004 e 2008, sendo eleito deputado federal em 2010 e prefeito de São Luís em 2012. Em 2015, ele ingressou no PDT para disputar a reeleição de prefeito da capital.